Cimeira UE/Rússia

Cimeira de Mafra pode debater questões inesperadas


 

Lusa / AO online   Internacional   25 de Out de 2007, 11:44

A ordem de trabalhos da Cimeira de Mafra, entre a UE e a Rússia, tem um "carácter clássico", mas podem surgir questões novas, noticia hoje o jornal Vremia Novostei, citando o assessor do Kremlin para os assuntos europeus, Serguei Iastrjembski.
Iastrjembski "declarou que os problemas internacionais, Kosovo, Médio Oriente e Irão, irão ser abordados durante o lanche", indica o diário de Moscovo.

"As conversações em Portugal irão ser difíceis", considerou o director do Fundo de Segurança Energética, Konstantin Simonov, em declarações à Rádio Mayak.

"Actualmente, as relações energéticas entre a Rússia e a Europa não são nada simples. Isso deve-se ao facto de a Rússia querer comprar activos no segmento da venda e transformação (de combustíveis) na Europa, mas as companhias europeias querem infiltrar-se muito no segmento da extracção no território russo e, ainda por cima, em condições vantajosas", sublinhou Simonov.

De acordo com Simonov, "cria-se uma situação muito curiosa, porque é Rússia é permanentemente acusada de abordar de forma muito dura a presença de empresas estrangeiras no segmento da extracção. Mas a Rússia vê que a Europa faz o mesmo, fechando completamente aos russos as possibilidade de aquisições precisamente no segmento da distribuição vantajosa, o que é muito mais interessante para a Rússia".

"Penso que o diálogo em Lisboa será bastante duro e complexo. Não queremos ceder à chantagem e trocar as aquisições de activos na Europa pela assinatura de cartas energéticas que absolutamente não nos convêm", concluiu o perito.

A agência noticiosa Ria Novosti indicou hoje que os "dirigentes da UE e da Rússia discutirão energia, Kosovo e, possivelmente, o escudo anti-míssil dos Estados Unidos".

Sobre os direitos humanos, a agência IA Regnum publicou um comunicado da Amnistia Internacional, no qual a organização apela que na Cimeira de Mafra sejam analisadas as violações dos direitos humanos no Cáucaso russo, nomeadamente na Inguchétia.

"A situação na Inguchétia deteriorou-se bruscamente, aumentando o número de casos de desaparecimentos violentos, raptos de pessoas e de outras violações dos direitos humanos", considera a AI.

"Durante a regularização da situação instável na Inguchétia, as autoridades russas devem agir em consonância com as normas jurídicas, nomeadamente para garantir que todas as detenções são feitas em conformidade com a legislação russa e as normas internacionais no campo dos direitos humanos", declara Nicola Dacbort, director da AI para a Europa e Ásia Central, citado pela agência Regnum.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.