Caso Ao Man Long inspira jogo virtual


 

Lusa / AO online   Internacional   6 de Nov de 2007, 18:08

O caso de alegada corrupção que envolve o antigo Secretário dos Transportes e Obras Públicas do Governo de Macau foi usado para criar um jogo na Internet disponível em vários fóruns, revela um diário de Hong Kong.
Denominado "Matança do Dragão", o jogo tem 50 níveis e começa com o rei a deixar cair o seu "braço-direito" - Pequeno Dragão - na cadeia para acalmar a indignação de um imperador mais poderoso.

Pequeno Dragão acaba por ser um bode expiatório depois de notícias sobre a sua alegada má conduta terem chegado a um território vizinho, numa história em que os altos representantes se movimentam para se protegerem entre si depois da queda do Pequeno Dragão, conta o South China Morning Post.

As coincidências entre o jogo virtual e o caso de Ao Man Long, que começou segunda-feira a ser julgado no Tribunal de Última Instância de Macau, surgem logo no terceiro nome - Long - do antigo governante que em chinês quer dizer dragão.

Alguns capítulos do jogo, continua o jornal, podem facilmente ser identificados com episódios políticos recentes da vida de Macau, nomeadamente com o caso Ao Man Long, detido e exonerado do cargo governamental por suspeitas de ter recebido dinheiro e bens imóveis em troca de decisões sobre atribuição de obras.

Outro dos capítulos faz referência ao facto de terem sido encontrados em Agosto trabalhadores ilegais numa obra de uma residência registada em nome do Director dos Serviços para os Assuntos Laborais, o órgão competente de fiscalização das relações de trabalho.

De acordo com o South China Morning Post, a maioria dos capítulos do jogo foram escritos por um funcionário público que assina com o nome "Lun Pak".

Os fóruns onde é distribuído o jogo são apenas em língua chinesa e de acesso reservado.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.