Bush abre conferência internacional de Annapolis para relançar processo de paz


 

Lusa/Ao online   Internacional   27 de Nov de 2007, 05:24

O presidente norte-americano abre hoje uma conferência em Annapolis para relançar a paz no Médio Oriente, na presença de ministros dos Negócios Estrangeiros de mais de 50 países e organizações, designadamente Luís Amado em representação da UE.
Esta reunião internacional organizada por George W. Bush para reactivar um processo de paz entre israelitas e palestinianos, actualmente em ponto morto, deverá dar o pontapé de saída às primeiras negociações de paz formais em sete anos para se chegar, a prazo, à criação de um Estado palestiniano independente coexistindo pacificamente com o seu vizinho.

    Na véspera da conferência de Annapolis - que reúne no recinto da Academia Naval norte-americana meia centena de participantes, incluindo o chefe da diplomacia portuguesa e presidente em exercício do Conselho de Ministros da UE, Luís Amado - palestinianos e israelitas afirmaram ter realizado progressos importantes tendo em vista novas negociações de paz.

    Todavia, os esforços dos Estados Unidos podem esbarrar com a situação no terreno - onde os colonatos, o muro de separação e os postos de controlo israelitas dividiram a Cisjordânia em ilhéus isolados - e com a desconfiança que reina entre os protagonistas depois de cinco anos de violência.

    Vários milhares de colonos manifestaram-se segunda-feira à noite em Jerusalém para denunciar desde já qualquer concessão territorial na Cisjordânia e em Jerusalém oriental.

    Em Gaza, o Hamas rejeitou já por antecipação as conclusões de Annapolis.

    Os principais actores do conflito, com excepção do Hamas e do Irão, estarão presentes em Annapolis, assim como a Arábia Saudita e a Síria.

    A Arábia Saudita, que esteve na origem de uma iniciativa de paz com Israel reactivada em Março de 2007 mas que permaneceu letra morta, será representada pelo seu ministro dos Negócios estrangeiros, Saoud al-Fayçal.

    A Síria participa também na reunião, afirmando ter obtido de Washington a promessa de ser abordado o seu conflito com Israel sobre os Montes Golã.

    A pequena cidade portuária de Annapolis, Maryland (Nordeste), foi colocada sob alta segurança segunda-feira.

    O tráfego aéreo foi suspenso a mais de três quilómetros em redor, à volta da Academia Naval de Annapolis onde responsáveis israelitas, palestinianos e mais de 50 países e organizações são recebidos hoje a convite de George W. Bush. Também o tráfego marítimo e nos canais sofre restrições e todas as estradas à volta da Academia Naval foram cortadas ao trânsito.

    Os delegados, nomeadamente os de 16 países árabes e de Israel, reúnem-se no Memorial Hall da Academia Naval.

    Annapolis, que foi em tempos a capital dos Estados Unidos logo a seguir à guerra da independência norte-americana, é uma cidade histórica de 36 mil habitantes que recebe todos os anos milhões de visitantes.

   

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.