Açoriano Oriental
Covid-19
BE/Açores exige apoio a pais que vão perder rendimentos por encerramento de escolas

O BE/Açores reiterou a exigência de que o Governo Regional apoie os pais que vão perder rendimentos devido ao encerramento de escolas, garantindo o salário completo e a gratuitidade de creches e jardins de infância.

BE/Açores exige apoio a pais que vão perder rendimentos por encerramento de escolas

Autor: Lusa/AO Online

No dia em que o executivo regional de coligação PSD/CDS-PP/PPM anunciou o fecho das escolas na ilha de São Miguel, até pelo menos 15 de janeiro, o BE voltou a insistir na implementação imediata de “um apoio que garanta a totalidade do salário aos pais que terão de faltar ao trabalho para apoiar os filhos”.

Os bloquistas, liderados no arquipélago por António Lima, querem, ainda, “que o pagamento da mensalidade das creches e jardins de infância seja integralmente assumido pelo Governo Regional”.

“É inaceitável que o Governo determine mais um encerramento generalizado dos estabelecimentos de ensino – contradizendo aquilo que a Autoridade de Saúde vinha a defender – sem criar este apoio, o que constitui uma inaceitável penalização das famílias em altura de crise”, é referido numa nota do grupo parlamentar do BE no parlamento açoriano.

Os parlamentares acusam também o governo açoriano de “uma enorme desorientação” ao sujeitar “milhares de crianças – incluindo do pré-escolar – a um teste invasivo para logo a seguir encerrar todos os estabelecimentos de ensino”.

O Governo Regional encetou um esforço de testagem massiva no concelho de Vila Franca do Campo e na freguesia de Rabo de Peixe, em São Miguel, que abrangeu as escolas.

No comunicado, os bloquistas adiantam também que irão chamar o secretário regional da Saúde e Desporto e a secretária regional da Educação “com urgência à Comissão Parlamentar de Assuntos Sociais, para prestar todos os esclarecimentos necessários”.

Hoje foram anunciadas várias medidas de contenção da transmissão de covid-19 na ilha de São Miguel, que incluem o encerramento de todos os estabelecimentos escolares, limitação de ajuntamentos na via pública a quatro pessoas e o encerramento de cafés e restaurantes às 15h00, mantendo serviço de entrega ao domicílio ou ‘take-away’.

Está também proibida a circulação entre as 23h00 e as 05:00 nos dias de semana e a partir das 15h00 ao fim de semana e o comércio local e centros comerciais devem encerrar às 20h00.

Por outro lado, haverá "obrigatoriedade de teletrabalho, sempre que as funções e a atividade o permitam" para pessoas com mais de 60 anos ou que tenham determinadas patologias e, no caso de não ser possível, será obrigatório o "desfasamento de horário".

As medidas vão vigorar durante o período do novo estado de emergência, até 15 de janeiro, e serão aplicadas apenas à ilha de São Miguel, onde se têm registado mais casos de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a doença covid-19.

Os Açores têm atualmente 564 casos positivos ativos de infeção, dos quais 519 na ilha de São Miguel, 39 na ilha Terceira, três na ilha das Flores e três na ilha do Faial.

Desde o início do surto foram detetados 2.346 casos, tendo-se registado 22 óbitos e 1.666 recuperações.


PUB
 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.