Turquia

Aviação turca bombardeia posições de rebeldes curdos


 

Lusa/AOonline   Internacional   28 de Out de 2008, 14:30

A aviação turca bombardeou hoje posições dos rebeldes curdos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, clandestino) no norte do Iraque, informou o estado-maior do exército turco.
«Os objectivos fixados, nas zonas de Hakurk, Avasin-Basyan e Zap, foram alvo de fogo cerrado dos nossos aviões apoiados por tiros das forças terrestres», de acordo com um comunicado difundido no site da Internet do estado-maior do exército.

    «Os alvos foram atingidos. Os nossos aviões regressaram às bases com toda a segurança, após terem cumprido a sua missão», acrescentou o exército turco, garantindo que todas as medidas foram tomadas para evitar danos colaterais às populações curdas do Iraque.

    O comunicado não precisa eventuais vítimas da operação no campo do PKK.

    A Turquia confronta-se nas últimas semanas com um recrudescimento da violência na sequência de uma operação dos rebeldes curdos que atacaram a 03 de Outubro uma caserna na fronteira iraquiana, na qual foram mortos 17 soldados.

    A aviação turca atacou, em várias ocasiões, as bases recuadas dos rebeldes no norte do Iraque.

    O exército afirmou que 25 rebeldes foram mortos no último ataque a 17 de Outubro.

    Ancara denuncia regularmente a utilização pelos rebeldes do PKK de bases situadas nas montanhas a norte do Iraque, que fazem fronteira com a Turquia e o Irão.

    No início do mês, o parlamento turco prolongou por um ano o mandato que autoriza o governo a realizar operações militares transfronteiriças contra as bases iraquianas do PKK.

    Considerado uma organização terrorista pela Turquia, União Europeia e Estados Unidos, o PKK lidera desde 1984 uma luta armada pela autonomia do sudeste da Turquia, com uma população maioritariamente curda. O conflito causou perto de 44.000 mortos, de acordo com números oficiais.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.