Açoriano Oriental
Aumento das alforrecas causa diminuição de peixes no Mediterrâneo e Mar Negro
O aumento acentuado das populações de alforrecas, devido à sobrepesca, pode ser uma das razões para a redução das populações de peixes observada nos mares Mediterrâneo e Negro, segundo um relatório da FAO.
Aumento das alforrecas causa diminuição de peixes no Mediterrâneo e Mar Negro

Autor: Lusa/AO Online

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, a sobrepesca, que elimina os principais predadores das alforrecas, é um dos fatores responsáveis pela proliferação destes animais, ou pelo aumento repentino do seu número.

Pode seguir-se um “ciclo vicioso”, no qual um grande número de alforrecas se alimenta de larvas de peixe e de juvenis, “reduzindo ainda mais a resiliência das populações de peixe, já afetadas pela sobrepesca”, segundo o relatório da Comissão Geral das Pescas do Mediterrâneo da FAO.

A alforreca “pode ser a gota de água que fez transbordar o copo”, referiu o relatório, intitulado “Estudo da Proliferação de Alforrecas no Mar Mediterrâneo e no Mar Negro”.

Os efeitos graves que as alforrecas podem ter nas populações de peixes foram demonstrados no início dos anos de 1980, quando a Mnemiopsis leidyi, uma espécie de alforreca normalmente do Oceano Atlântico, foi acidentalmente introduzida no Mar Negro e teve um impacto “devastador” nas populações de peixe e nas pescas.

O problema só foi resolvido depois de outra espécie invasora, a Beroe ovate, que se alimenta das Mnemiopsis, ter sido introduzida no Mar Negro.

A alforreca tornou-se agora persistentemente abundante em quase todos os oceanos do mundo, levando alguns especialistas a falar numa “mudança no regime global, de oceano de peixes para oceano de alforrecas”.

Entre outros fatores para o aumento da espécie nos oceanos estão o aquecimento global, a eutrofização, que aumenta os nutrientes na água, e o uso generalizado de paredões para evitar a erosão costeira e o grande número de portos turísticos, que são os habitats ideais para as alforrecas.

As medidas defendidas para evitar ou lidar com a proliferação de alforrecas incluem a incorporação desta espécie na investigação sobre as pescas, desenvolver produtos à base de alforreca para a alimentação (que já ocorre em países asiáticos, por exemplo) e medicamentos (para o rejuvenescimento humano), estabelecer sistemas de alerta rápido sobre a proliferação, tomar medidas para reduzir a sobrepesca e as emissões de gás com efeito estufa, que causam a eutrofização.

 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.