Açoriano Oriental
Tribunal adia para outubro julgamento por corrupção de ex-presidente Jacob Zuma

O processo de corrupção de mais de 20 anos contra o ex-presidente sul-africano Jacob Zuma e o fabricante de armas francês Thales foi adiado novamente no Tribunal Superior de Pietermaritzburg, sudeste da África do Sul.

Tribunal adia para outubro julgamento por corrupção de ex-presidente Jacob Zuma

Autor: Lusa/AO Online

O juiz Piet Koen decidiu adiar para 17 de outubro o caso de corrupção, devido a um recurso pendente no Tribunal Constitucional submetido pelo antigo chefe de Estado sul-africano para que o procurador, o advogado Billy Downer, seja afastado do julgamento do caso.

Zuma, de 80 anos, e um representante do fabricante de armamento francês Thales não compareceram hoje no tribunal por decisão judicial.

Em maio, o juiz Piet Koen adiou o caso para hoje afirmando que estava pendente uma decisão da presidente do Supremo Tribunal de Apelação (SCA, na sigla em inglês), em Bloemfontein, centro do país.

A juíza Mandisa Maya, presidente do SCA, indeferiu posteriormente o pedido de recurso de Zuma ao indeferimento pelo juiz Koen de um pedido especial na instância inferior em Pietermaritzburg, que pedia o afastamento do procurador do julgamento do caso.

A decisão foi anunciada em 16 de fevereiro pelo juiz Piet Koen, com o fundamento de que "lhe faltam argumentos razoáveis" para aceitar o afastamento do procurador.

Em sequência do indeferimento da juíza Maya, Zuma recorreu ao Tribunal Constitucional da África do Sul.

O ex-presidente e a Thales enfrentam acusações de fraude, extorsão, corrupção, evasão fiscal e lavagem de dinheiro num caso de corrupção pública de aquisição de armamento multibilionário com mais de 20 anos em que a companhia de armamento francesa é acusada de subornar o antigo chefe de Estado.

Zuma, que foi Presidente da República entre 2009 e 2018 enfrenta 18 acusações relacionadas com o caso, incluindo fraude, corrupção, lavagem de dinheiro e extorsão, relacionadas com a compra de equipamento militar a cinco empresas de armamento europeias, em 1999, quando era vice-Presidente do país.

Em 2018, Zuma foi forçado a demitir-se após uma série de escândalos.

O fabricante francês do setor da Defesa enfrenta também acusações de corrupção e branqueamento de capitais. Tanto Zuma, como o grupo Thales têm negado as acusações.

O caso de alegada corrupção na aquisição de armamento pelo Estado sul-africano foi o maior escândalo de corrupção pública nos primeiros cinco anos de democracia na África do Sul, após o escândalo de corrupção em torno da peça teatral Sarafina, em 1996, no mandato do ex-presidente Nelson Mandela.


PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados