Sete mil cagarros salvos nos Açores no último mês

Sete mil cagarros salvos nos Açores no último mês

 

Ao Lusa   Regional   16 de Nov de 2013, 09:50

A campanha SOS Cagarro, que decorre nos Açores desde 1995, salvou este ano cerca de 7000 aves marinhas desta espécie, cerca do dobro do número médio registado nos últimos sete anos.

Considerando que a média de salvamentos de sete anos de registos é de 3350, o valor deste ano da campanha, que decorreu de 15 de outubro a 15 de novembro, é significativamente superior, cerca do dobro, segundo os registos provisórios, fornecidos à Lusa pela Secretaria Regional dos Recursos Naturais.

A este número, provavelmente, acrescem muitos outros salvamentos feitos por particulares que desconhecem que podem reportar online o salvamento, para que estes dados sejam contabilizados.

Os Açores acolhem todos os anos quase 200 mil casais de cagarros, que procuram as zonas costeiras das ilhas para se reproduzirem, um número que corresponde a mais de 60% da população mundial da espécie e a cerca de 75% da população mundial da subespécie Calonectris diomedea borealis.

A Campanha SOS Cagarro tem como principal objetivo envolver as pessoas e entidades no salvamento dos cagarros juvenis encontrados junto às estradas e na sua proximidade, alertando a população açoriana e visitantes para a preservação desta espécie protegida.

O Governo dos Açores coordena e dinamiza esta campanha, operacionalizada pelos Parques Naturais de Ilha, com o apoio da Azorina.

Os cagarros começam a reproduzir-se, em média, com oito ou nove anos de idade e fazem uma postura de apenas um ovo por ano, sem possibilidade de efetuar postura de substituição no caso de fracasso durante a incubação ou período de alimentação da cria.

Muitas aves morrem nos primeiros meses de vida vítimas de gatos e ratos, mas também atropelados nas estradas, onde caem depois de serem encadeados pela iluminação pública e pelos faróis das viaturas.

O período mais complicado ocorre entre 15 de outubro e 15 de novembro, altura em que as aves mais novas saem pela primeira vez dos ninhos e podem ficar desorientadas pelas luzes fortes, correndo o risco de cair em locais expostos e serem atropelados por carros.

Os animais são recolhidos e colocados numa caixa de papelão, sendo depois libertados junto ao mar na manhã seguinte.

Este ano, como novidade, o SOS Cagarro apelou também à participação da comunidade estrangeira residente nos Açores e turistas nas atividades da campanha, tendo sido divulgada informação sobre a iniciativa em inglês.

Segundo o secretário regional dos Recursos Naturais, Luís Neto Viveiros, pretendeu-se que a campanha “se assuma também como uma atividade participativa de ecoturismo, promovendo a sustentabilidade e promoção da região, através de ações de conservação ambiental”, exemplificando o caso do Corvo, onde aderiram à campanha turistas 'birdwatchers' e ornitólogos que nesta altura do ano visitam a mais pequena ilha açoriana.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.