Sequestrados e torturados dois estudantes que apelavam contra a reforma na Venezuela


 

Lusa / Ao online   Internacional   25 de Nov de 2007, 11:39

Dois estudantes da Universidade Fermin Toro, de Barquisimeto, Estado de Lara (400 quilómetros a oeste de Caracas) que entregavam panfletos contra a reforma constitucional, foram sequestrados e depois torturados, revelaram hoje as televisões privadas venezuelanas.
    Segundo o canal televisivo de notícias Globovisión os estudantes foram sequestrados pouco depois das 17:30 horas locais (21:30 horas em Lisboa) de sexta-feira, num centro comercial de Barquisimeto.

    "Três estudantes da Universidade Fermin Toro estavam distribuindo informação contra a reforma constitucional, quando apareceu uma carrinha Blazer de cor preta, sem matrícula, com pessoas armadas que levaram dois deles", disse a Globovisión.

    Segundo o canal os dois estudantes foram libertados durante a noite da última sexta-feira depois "de golpeados fortemente no rosto e com queimaduras de cigarros nos braços".

    A Globovisión transmitiu imagens dos jovens depois de torturados e precisou que as queimaduras de cigarros foram feitas durante um interrogatório sobre as intenções do movimento de jovens universitários que nas últimas semanas tem promovido acções de rua contra a reforma constitucional.

    A polícia venezuelana reprimiu, nas últimas semanas e nalgumas ocasiões violentamente, marchas de estudantes nas cidades de Caracas, Barquisimeto, Arágua, Táchira, Mérida e Valência.

    A 2 de Dezembro os venezuelanos vão às urnas para decidir sobre a reforma aprovada pela Assembleia Nacional, que prevê alterar 69 artigos da Carta Magna, 33 deles sugeridos pelo presidente Hugo Chávez.

    A reforma inclui mudanças polémicas, como a reeleição presidencial indefinida, o alargamento de seis para sete anos do mandato do chefe de Estado, o fim da autonomia do Banco Central e a introdução de novos conceitos de propriedade pública, social (comunal ou estatal), colectiva e privada.

    Contempla ainda uma nova geometria do poder baseada em distritos, municípios e territórios federais e a criação de distritos insulares em que a unidade política primária assenta em cidades formadas por comunas ou células geo-humanas.

    Prevê igualmente a atribuição ao Presidente da República de poderes para decretar regiões especiais militares com fins estratégicos de defesa em qualquer parte do território e a transformação das Forças Armadas Nacionais num organismo "essencialmente patriótico, popular e anti-imperialista".

    Contempla ainda limitações às garantias processuais e à liberdade de imprensa se for decretado o estado de sítio.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.