Prostituição preocupa comerciantes da Quarteira que criticam a actuação da GNR


 

Lusa / AO online   Nacional   24 de Ago de 2008, 12:10

O aumento do número de prostitutas nas ruas de Quarteira “é vergonhoso” para alguns comerciantes e moradores da zona, que criticam a inexistência de qualquer posição tomada pela GNR, prejudicando assim o turismo da freguesia algarvia.
    São “inúmeras” as mulheres, com idades compreendidas entre 20 e 50 anos, que ao anoitecer começam a aparecer em algumas ruas de Quarteira para se prostituírem “até o nascer do sol”, comentou um dos moradores da zona.

    O quadro é “triste e vergonhoso” para muitos dos comerciantes e moradores de Quarteira, que criticam a “falta de competência” da GNR para actuar perante esta situação.

    De acordo com alguns moradores, a prostituição pode não só estar a afectar o turismo na freguesia, como as próprias mulheres que se prostituem diariamente nas ruas.“Ainda ontem se dirigiu a mim uma jovem que tinha acabado de ser espancada por dois homens, porque se recusou a fazer sexo com os dois ao mesmo tempo”, explicou um dos moradores, lamentando o futuro das “pobres raparigas”.

    De acordo com o presidente da Junta de Freguesia de Quarteira, a afluência de prostitutas naquela zona já é frequente há alguns anos, sendo uma “luta constante”, que “ninguém, nem a própria GNR, consegue resolver”.

    Para José Coelho Mendes, a prostituição “é um grande negócio” para estas mulheres, sendo “mais fácil andar nesta vida do que a trabalhar”.

    A prostituição em Quarteira está a preocupar “cada vez mais” o presidente, que acusa as forças da autoridade por “não actuarem devidamente”, prejudicando assim o turismo da freguesia algarvia.

    José Coelho Mendes adiantou ainda que a melhor solução seria a criação de um projecto de apoio e inserção social e laboral, tendo sido já pensado mas, segundo explicou, não avançou por falta de esclarecimento e pelas instituições não terem verbas suficientes.

    Esta iniciativa teria como objectivo combater não só a prostituição como também a toxicodependência, contribuindo assim para a resolução dos problemas da região, cujos níveis “elevadíssimos” em 2007 mereceram maior atenção por parte da Junta de Freguesia de Quarteira e da Câmara Municipal de Loulé.

    “É este o país que temos”, lamentou, mas apesar de “ser difícil dar a volta, não se pode enfiar a cabeça na areia”.

    A Lusa tentou, por várias vezes, obter declarações da GNR, mas, segundo fonte do Comando Geral, em Lisboa, este é um assunto “bastante delicado e complicado”, não querendo adiantar mais informações sobre a sua actuação perante o aumento da prostituição em Quarteira.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.