Portugal tem uma das mais baixas comparticipações de analgésicos da Europa


 

Lusa/ AO   Nacional   15 de Out de 2007, 11:32

Portugal é um dos países europeus com mais baixa taxa de comparticipação de analgésicos, alertou hoje o presidente da Associação Portuguesa para o Estudo da Dor, que pretende que essa comparticipação aumente dos 37 para os 95 por cento.
"A taxa de comparticipação de analgésicos em Portugal é muito baixa relativamente à da esmagadora maioria dos países europeus, já que nalguns países os analgésicos opióides são até gratuitos, com comparticipações de 100 por cento", comparou, em declarações à Lusa, o médico José Romão, no dia em que começa a Semana Europeia Contra a Dor, este ano dedicada à mulher.

    Para a Associação Portuguesa para o Estudo da Dor, a comparticipação "adequada" para os analgésicos é de 95 por cento, a máxima permitida pelo Ministério da Saúde.

    "Não é aceitável que doentes com dor crónica não possam ser tratados por falta de recursos económicos", frisou José Romão.

    Em Portugal, a baixa taxa de comparticipação dos analgésicos "contrasta" com a comparticipação de 69 por cento dos anti-inflamatórios, que têm "muitos efeitos laterais que são potencialmente graves", como sangramentos ou úlceras gástricas e pépticas.

    De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde de 2004, o consumo de analgésicos opióides por pessoa em Portugal é seis vezes inferior ao de Espanha, 12 vezes inferior a França, 15 vezes a Alemanha e fica 20 vezes abaixo do registado no Reino Unido.

    Este ano, a Semana Europeia Contra a Dor é dedicada ao sexo feminino, uma vez que as mulheres têm "uma muito maior probabilidade do que os homens de apresentar dores múltiplas simultâneas".

    Factores hormonais e biológicos explicam e condicionam várias patologias que afectam mais as mulheres, explica José Romão, acrescentando que o objectivo da Semana Europeia é "agitar o meio científico" e chamar a atenção de clínicos e investigadores para as diferentes necessidades das mulheres em matéria de controlo da dor.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.