Crise financeira

"Portugal não está imune à crise"

"Portugal não está imune à crise"

 

Lusa/AOonline   Economia   7 de Out de 2008, 10:57

O governador do Banco de Portugal disse que Portugal "não está imune a esta crise" e que apesar das "importantes reformas feitas não crescerá em 2009 a taxas diferentes" das da Zona Euro.
As declarações de Vítor Constâncio foram feitas na abertura do 18º Encontro de Lisboa com as delegações dos PALOP e Timor-Leste à Assembleia Anual do FMI/Banco Mundial, que decorre no Centro Cultural de Belém.

    "Portugal não está imune a esta crise", afirmou o governador do Banco de Portugal, destacando logo de seguida o papel das "importantes reformas" que o Governo tem feito nas áreas do "Trabalho, Administração Pública e Sociedade do Conhecimento".

    "Apesar disto, certamente [Portugal] em 2009 não crescerá a taxas diferentes das taxas de crescimento da área do Euro".

    Vítor Constâncio referiu que os resultados conseguidos na consolidação orçamental aumentaram também a credibilidade do sistema financeiro e acrescentou a necessidade da continuação de reformas estruturais, nomeadamente na área da Concorrência e da procura do equilíbrio entre a flexibilidade económica e as relações laborais.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.