Açoriano Oriental
Mais de um milhar de pessoas desfilaram em Lisboa em defesa do clima

Mais de um milhar de pessoas desfilaram este sábado em Lisboa, no âmbito da Marcha Mundial do Clima, pedindo o fim da exploração de combustíveis fósseis, para inverter o impacto das alterações climáticas.


Autor: AO Online/ Lusa

Segundo a organização da marcha, no contexto europeu, as alterações climáticas, afetarão sobretudo Portugal.

"Com aquilo que já sentimos, com os recordes de temperatura que houve este agosto, com a seca que tivemos no ano passado, com as ondas de calor que começam a ser mais frequentes, com a ameaça que temos ao nosso litoral, Portugal é dos países que mais sofrerá com as alterações climáticas no contexto europeu", disse à agência Lusa Francisco Ferreira, da ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável.

Centenas de pessoas de várias idades e nacionalidades concentraram-se desde as 17:00 no Cais do Sodré, junto à estação de comboios, onde gritaram palavras de ordem e empunharam cartazes com as frases: "Não ao Furo - Sim ao Futuro", "Deixem os Fósseis em Paz" e "Empregos para o Clima", que foram entoando durante um desfile até ao Rossio.

Sob o lema “Parar o petróleo! Pelo clima, justiça e emprego!”, a iniciativa, que junta 40 organizações portuguesas de ambiente, movimentos cívicos, sindicatos e partidos políticos, está a juntar hoje milhares de pessoas em mais de 900 cidades de 95 países, sendo que em Portugal saíram à rua manifestantes em Lisboa, Porto e Faro, de acordo com Francisco Ferreira.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.