Crise deixa sem emprego directores de empresas nos Açores

Carregando o video...

 

Pedro Nunes Lagarto   Regional   28 de Out de 2009, 07:30

Afinal, quem são eles, os que contribuem para as estatísticas do desemprego? Que estórias e ambições?

Aos três Centros de Emprego dos Açores afluem diariamente cerca de 600 indivíduos, de ambos os sexos e idades, com diferentes níveis de instrução e experiência profissional (ou mesmo nenhuma).

Em comum têm o desejo de encontrar emprego, ou obter um certificado de competências ou ainda uma formação que lhes permita ganhar currículo e dinheiro em época de crise.

Entre os desempregados encontram-se pelo menos 23 directores de empresas, embora a maioria apresente, de facto, poucas armas para entrar num mercado cada vez mais competitivo e com pouca oferta.

Nos vários grupos profissionais chama a atenção o elevado número de trabalhadores não qualificados dos serviços e comércio, cerca de 25 por cento do total, precisamente um dos sectores de actividade mais afectados pela crise. Acrescem outros grupos de risco tais como os operários da indústria e construção civil e ainda o pessoal dos serviços.

O drama é maior quando se verifica o nível de instrução e se percebe, por exemplo, que 11,5 por cento dos desempregados não tem qualquer nível de instrução e que 33 por cento tem apenas o 1º Ciclo. De modo inverso, 12 por cento atinge o Secundário e um número irrisório - 4 por cento - chegou ao Ensino Superior.

 

Leia a notícia completa na edição impressa do Açoriano Oriental de 28 de Outubro de 2009.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.