CDS-PP pede medidas para compensar subida dos juros do crédito à habitação


 

Lusa/AO online   Nacional   21 de Set de 2007, 11:17

O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, pediu ao primeiro-ministro, José Sócrates, medidas para compensar a subida das taxas de juro e perguntou-lhe "o que vai fazer à dedução dos juros dos empréstimos para habitação".
     A pergunta, feita durante o debate mensal no Parlamento, ficou sem resposta.

    José Sócrates apenas lembrou que o executivo PSD/CDS-PP de que Paulo Portas fez parte "acabou com todos os benefícios fiscais à habitação, nomeadamente as contas poupança".

    O presidente do CDS-PP perguntou se "a alta das taxas de juro é benéfica ou prejudicial para a economia portuguesa" e insistiu que, face às circunstâncias, "é a este Governo que deve ser pedida sensibilidade".

    Alegando que o país vive agora "uma situação de crescimento económico sustentado", o primeiro-ministro considerou que Paulo Portas "esteve num Governo que falhou na economia e ainda não reconheceu esse falhanço".

    Antes, também o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, mencionou "as taxas e as condições de acesso ao crédito" para dizer que vão levar muitos portugueses aos novos balcões chamados "Perdi a carteira" hoje anunciados por Sócrates.

    Por outro lado, o secretário-geral do PCP frisou que Sócrates não teve "nem uma palavra sobre o aumento das desigualdades", referindo que Portugal está no topo dos países mais desiguais da União Europeia (UE).

    Jerónimo de Sousa apontou ainda casos de escolas primárias que funcionam em contentores e casas privadas e de transportes em más condições para levar as crianças à escola. "São as desigualdades silenciadas pela propaganda", concluiu.

    O primeiro-ministro contestou esse quadro e pediu "mais seriedade" ao líder comunista, dizendo que os dados que citou "são de 2005 e referentes a 2004", antes do seu Governo estar em funções.

    "Eu não esqueço esse desígnio e procuro fazer o meu trabalho para diminuir as desigualdades", salientou, interrogando "qual foi o período da história em que se fez mais em questões sociais" do que actualmente.

    "Devia reconhecer o esforço sério que este Governo está a fazer", defendeu.

    Paulo Portas questionou ainda Sócrates sobre "o que vai fazer à sua ministra da Educação" depois de a repetição de exames de Física e Química do 12º ano ter sido declarada inconstitucional e sobre o tempo de espera para consultas de várias especialidades, mas o primeiro-ministro não respondeu.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.