Comemorações do Centenário da República

Cavaco apela a ética de responsabilidade de titulares cargos públicos

Cavaco apela a ética de responsabilidade de titulares cargos públicos

 

Lusa/AO Online   Nacional   5 de Out de 2010, 11:39

O Presidente da República apelou esta terça-feira a uma ética de responsabilidade dos titulares de cargos públicos, sublinhando que a cultura republicana exige bom senso e contenção verbal e não se compadece com “intervenções arrebatadas na praça pública”.

“A cultura republicana de responsabilidade exige rigor, bom senso, ponderação e contenção verbal, não se compadecendo com intervenções arrebatadas na praça pública, com palavras que são ditas sem se pensar nas consequências que têm para a dignidade das instituições”, afirmou o chefe de Estado, numa intervenção nas cerimónias de comemoração do Centenário da República.

Repetindo a palavra responsabilidade por diversas vezes ao longo da sua intervenção, Cavaco Silva classificou-a como um dos “alicerces básicos” da vida coletiva de uma nação, considerando que, “todos sem exceção são chamados a agir com sentido de responsabilidade”, ainda que tal não seja “sinónimo de unanimidade” e que “num país livre cada um pode escolher o seu caminho”.

Contudo, notou, “é dos titulares de cargos públicos que mais se exige quanto a uma “ética de responsabilidade”, devendo agentes políticos, altos dirigentes ou magistrados pautar a sua ação por “critérios muito rigorosos”.

Antes de mais, continuou o Presidente da República, devem conhecer as realidades, estudar os assuntos e ter um conhecimento adequado da realidade.

“Além disso, devem estar conscientes de que são referências para a sociedade. Os seus actos, e até as suas palavras, tanto podem gerar confiança e ânimo, como podem contribuir para o descrédito das instituições”, alertou o Presidente da República.

Falando perante as principais figuras do Estado português, nomeadamente o primeiro ministro e o presidente da Assembleia da República, Cavaco Silva reconheceu que o chefe de Estado, “em particular”, deve manter um “especial cuidado no uso da palavra”, porque “a coesão nacional” é um dos “bens mais preciosos que Portugal possui”.

“Um Presidente da República não pode alimentar divisões. A responsabilidade primordial de um Presidente da República é unir os portugueses, em vez de impor a sua visão do mundo a uma parcela do país”, salientou.

Ainda relativamente ao “requisito cívico de responsabilidade”, Cavaco Silva destacou igualmente as “exigências especiais” que recaem sobre a comunicação social, dado o papel de relevo que ocupa na sociedade.

“Informa os cidadãos mas, além disso, forma a sua opinião. Para ser responsável, tem de ser livre. Mas, sendo livre e plural, tem o especial dever de informar com isenção, objectividade e com rigor”, sustentou.

Cavaco Silva deixou também uma nota sobre a “responsabilidade social das empresas”, defendendo a necessidade de um particular cuidado na gestão por parte dos agentes económicos.

Contudo, acrescentou, os trabalhadores e os seus representantes também devem partilhar desta “atitude cívica republicana”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.