Atirador que semeou o terror em Washington foi executado

Atirador que semeou o terror em Washington foi executado

 

Lusa/AO Online   Internacional   11 de Nov de 2009, 06:59

John Allen Muhammad, que ficou conhecido mundialmente em 2002 como “o atirador de Washington”, por ter morto aleatoriamente 10 pessoas em três semanas, foi executado terça-feira por injecção mortal na Virgínia, anunciou um porta-voz dos serviços penitenciários.

“Não o ouvi pronunciar uma palavra”, declarou à imprensa Larry Traylor, depois de ter confirmado que Muhammad morreu.

O Supremo Tribunal rejeitou segunda-feira o último recurso deste homem, de 48 anos, condenado à morte em 2004 na Virgínia por uma série de homicídios, cometidos entre 2 e 22 de Outubro de 2002 na região de Washington.

O governador da Virgínia, Timothy Kaine, recusou igualmente terça-feira atribuir-lhe a sua graça.

Muhammad escondia-se na bagageira do seu automóvel para abater, aleatoriamente, as suas vítimas com uma só bala, à saída de centros comerciais, escolas ou estações de serviço.

Uma pessoa foi abatida em Washington, seis foram mortas no Estado vizinho Maryland e três foram alvejadas na Virgínia.

Três pessoas ficaram feridas nos disparos.

Muhammad agia acompanhado de um cúmplice, Lee Boyd Malvo, que na altura tinha 17 anos e que cumpre hoje uma pena de prisão perpétua.

Formado no tiro de elite no exército norte-americano, John Allen Muhammad participou na guerra do Golfo.

De acordo com o seu advogado, Jonathan Sheldon, Muhammad sofria de uma doença mental.

Sheldon afirmou que o seu cliente não reagiu quando segunda-feira o avisou por telefone da iminência da sua execução.

A situação “não o aqueceu, nem arrefeceu, nem me respondeu”, explicou o advogado.

“Tem uma doença mental grave, não fará um último discurso espantoso e não exprimirá remorsos”, preveniu Sheldon antes da execução, garantindo que “será o mesmo homem delirante (e) paranóico”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.