Apoios públicos não bastam para motivar jovens

Apoios públicos não bastam para motivar jovens

 

Rui Leite de Melo   Regional   23 de Nov de 2007, 10:17

Apesar da criação de apoios específicos para o empreendedorismo jovem, os resultados tardam em surgir. Governo reforça intervenção nessa “mudança de mentalidades”.

É fundamental mudar a mentalidade dos mais jovens e incutir neles uma cultura empresarial e uma cultura de risco. Esta é a posição defendida pelo secretário regional da Economia. Falando à margem da sessão de abertura do 1º salão de Empreendedorismo dos Açores, que desde ontem decorre no Teatro Micaelense, Duarte Ponte salientou que a criação de tais de apoio como o “Empreende Jovem” justificam-se basicamente pela necessidade de motivar uma mudança de mentalidades. “Mais do que qualquer apoio ou subsídio ou de apoio, o que é preciso de uma mudança de mentalidade que começará nas escola”, que referiu o governante terem neste aspecto um papel “indispensável”.

Para Duarte Ponte essa alteração de atitude por parte dos mais novos é fundamental pois como disse, “muitos jovens estão habituados a trabalhar por conta de outrém, a serem funcionários publicos. Ora para estes há restrições muito grandes pois nós não vamos crescer em tremos de funcionalismo público e, se calhar, até vamos diminuir, pelo que os jovens terão de encontrar por eles próprios outras formas de criar o seu próprio emprego, de criar riquea e mesmo de criar emprego para outros jovens”, salientou.


Esta preocupação está bem materializada na acção de divulgação que desde ontem decorre no Teatro Micaelense e que ao longo da tarde de quinta-feira compreendeu a abertura do 1º Salão do Empreendedor, que num mesmo espaço reúne organismos e instituições directamente ligada aos projectos de incentivo ao empreendedorismo jovem, em particular escolas de formação profissiona e instituições bancarias, e ainda um workshop sobre empreendedorismo. Quer no certame, quer no próprio workshop, o sector bancário teve uma presença destacada, dado ser um parceiro fundamental para a generalidade dos projectos apresentados ou a apresentar no âmbito dos programas de incentivos disponibilizados pelo Governo Regional. Mas neste particular podem em breve surgir novidades, com Duarte Ponte a admitir contactos com a banca no sentido de ser criada uma linha de apoio bonificada comparticipada pelo Governo Regional para os jovens que queiram iniciar a sua empresa e que não tenham o capital necessário. “Percebo que a banca muitas vezes não aposte num jovem sem rcursos mas se assim for falaremos com a banca para encontrar uma forma de entendimento que sirva a todos para, em colaboração apoiarmos os jovens para a criação do seu próprio emprego pois sem criação de emprego e de empresas capazes não poderemos desenvolver os açores”, disse a propósito o titular da pasta da Economia.

 

Com a Gala do Empreendedor, que hoje decorre, encerra uma iniciativa que pretendeu acima de tudo estimular os mais jovens para um empreendedorismo ainda concretizar satisfatoriamente.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.