Vasco Cordeiro diz que relação do PSD com Governo da República é "telenovela"

Vasco Cordeiro  diz que relação do PSD com Governo da República é "telenovela"

 

Lusa/AO Online   Economia   10 de Out de 2012, 06:52

A "telenovela" do relacionamento entre o PSD/Açores e o Governo da República esteve em destaque esta noite no discurso de Vasco Cordeiro, candidato socialista à presidência do Governo Regional, que o comparou à "guerra do Solnado".

“Às segundas, quartas e sextas é só beijos e abraços, às terças, quintas e sábados querem ver-se pelas costas e no domingo vamos ter uma grande vitória do PS”, afirmou Vasco Cordeiro, no comício que encheu o pavilhão AçorArena, em Vila Franca do Campo, em São Miguel.

“Esta telenovela do relacionamento entre o PSD/Açores e o Governo da República faz lembrar a guerra do Solnado”, frisou, criticando os social-democratas por terem afirmado que o facto de as Grandes Opções do Plano para 2013 não preverem a redução do diferencial fiscal entre a região e o continente se dever às boas relações que têm com o Governo da República.

O candidato socialista recordou que “há menos de uma semana, não se podiam ver, mas agora são grandes amigos”.

Neste discurso, Vasco Cordeiro reafirmou que é “através do voto” que os açorianos podem defender “os Açores e a autonomia”, propondo que os eleitores comparem “como funciona o Governo de coligação PSD/CDS em Lisboa, que todos os dias lida com a crise entre os partidos que o compõem, e o Governo dos Açores, que tem estabilidade, tranquilidade e coesão”.

“Respeitaremos a vontade dos açorianos, mas julgo não haver dúvidas que o melhor para os Açores é ter um Governo com estabilidade e segurança, que permita estar por inteiro ao lado dos açorianos”, afirmou o candidato socialista, sem nunca pedir a maioria absoluta nas eleições regionais de domingo.

Vasco Cordeiro dedicou especial atenção neste discurso ao setor das pescas, destacando os “quatro pilares essenciais” em que assentará a política para esta área caso venha a assumir a presidência do executivo regional.

O melhor aproveitamento comercial das espécies existentes nos Açores e a exploração sustentável dos recursos, porque “o desafio não é pescar mais, mas vender melhor”, são dois desses pilares, juntamente com o reforço dos mecanismos de apoio aos rendimentos dos pescadores, prometendo o candidato “alargar o Fundopesca a situações que atualmente não são cobertas”.

O quatro pilar em que assentará a política de pescas de um futuro Governo regional socialista é a defesa das especificidades da pesca açoriana junto da União Europeia.

“O tempo urge e há muito para fazer”, frisou Vasco Cordeiro, apelando ao voto na “via açoriana para o desenvolvimento” que apresentou com o objetivo de criar emprego e riqueza nos Açores na próxima legislatura.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.