Volta a Portugal

"Turbo" de Napolitano volta a refrear ânimos

"Turbo" de Napolitano volta a refrear ânimos

 

Lusa/AO   Outras modalidades   15 de Ago de 2008, 18:13

O italiano Danilo Napolitano (Lampre) “bisou”  na Volta a Portugal em bicicleta, ganhando a segunda etapa
O italiano Danilo Napolitano (Lampre) “bisou” na Volta a Portugal em bicicleta, ganhando a segunda etapa, em Castelo Branco, onde o espanhol Ruben Plaza (Benfica) vestiu pelo terceiro dia seguido a camisola amarela de líder da corrida.
Depois de 165,5 quilómetros, desde Vila Viçosa, com o Benfica e a transalpina Lampre a trabalharem para anular a longa fuga de cinco homens e preparar o “sprint” para Cândido Barbosa e Napolitano e o siciliano voltou a exibir o “motor de explosão” para a 26ª vitória na carreira, em 4:10.44 horas (média: 39,604 km/h).
“Parece que estou um pouco melhor que os outros. Os meus colegas voltaram a trabalhar muito bem e tornaram tudo mais simples. Arranquei nos últimos 200 metros e só vi a meta”, afirmou o corredor de 27 anos, após voltar a bater o espanhol Francisco Pacheco (Barbot-Siper), pelo segundo dia seguido no segundo posto, e o norte-americano Tyler Farrar (Garmin-Chipotle), terceiro da etapa.
Os “encarnados” tentaram colocar o “Foguete da Rebordosa” na discussão da tirada, através de José Azevedo e Pedro Lopes, mas Napolitano foi claramente mais forte e Barbosa acabou na quinta posição, atrás de Manuel Cardoso (Liberty Seguros), embora a classificação geral tenha ficado praticamente inalterada, sob o comando de da “águia” Plaza.
Os animadores da tirada, com uma “escapadela” ao pelotão logo ao quarto quilómetro, foram Joaquim Gregório (CC Loulé), o francês Jean Demaret (Cofidis), os espanhóis José Angel Rodriguez (Extremadura) e Alejandro Paleo (Karpin-Galicia) e o colombiano Félix Cardenas (Barloworld).
O “Gato Félix”, como é tratado pelos colegas, incluindo o luso Hugo Sabido, ainda descolou novamente depois de o quinteto ver desperdiçada a vantagem máxima de 8.10 minutos, mas a ousadia durou apenas 10 quilómetros, terminando a cinco da meta.
O dono da camisola amarela desde há três dias, após o prólogo de Portimão, segue com dois segundos de vantagem sobre o compatriota Hector Guerra (Liberty Seguros), enquanto o norte-americano Steven Cozza (Garmin-Chipotle) é terceiro, a três segundos do comandante.
O argentino Martin Garrido e os espanhóis David Blanco, vencedor da Volta a Portugal de 2006, e Alejandro Marque continuam a representar o Palmeiras-Tavira entre os 10 primeiros, respectivamente a 10, 11 e 14 segundos de Plaza, enquanto os restantes candidatos à vitória individual mantiveram diferenças ainda recuperáveis.
A corrida muda de figurino no sábado, com a terceira etapa, entre Idanha-a-Nova e a Torre, na Serra da Estrela, incluindo o final, numa “montanha” de categoria especial, já depois de ultrapassadas duas outras, de segunda e primeira categoria, ao longo de 171,5 quilómetros que poderão fazer as primeiras “vítimas” entre os favoritos.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.