Zimbabué

Troika de países da África Austral "não pode impor soluções"

Troika de países da África Austral "não pode impor soluções"

 

Lusa/AOonline   Internacional   19 de Out de 2008, 23:33

A troika de países da África Austral, que vai tentar desbloquear as negociações sobre a formação de um governo de união no Zimbabué "não poderá impor" uma solução, advertiu um representante do partido do presidente Robert Mugabe.
Apesar do impasse nas discussões mantidas com o mediador sul-africano Thabo Mbeki, os rivais políticos do Zimbabué reiniciam segunda-feira o processo negocial na Suazilândia com a participação de uma equipa de mediação alargada ao órgão de política, defesa e segurança da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

    Este órgão, constituído por três países-membros do bloco regional, é actualmente presidido pelo rei Mswati III da Suazilândia e integra igualmente Angola e Moçambique.

    As delegações, chefiadas por Mugabe e pelo o líder da oposição zimbabueana, Morgan Tsvangirai, são chamadas a expor os seus pontos de vista e depois "a troika indicará o caminho a seguir", explicou ao jornal estatal Sunday Mail Patrick Chinamasa, negociador do partido no poder, a União Nacional Africana do Zimbabué - Frente Patriótica (Zanu-PF).

    "Porém, os membros da troika não podem impor-nos seja o que for sobre questões importantes, como a atribuição dos ministérios", acrescentou Chinamasa.

    Robert Mugabe (no poder desde 1980) e Tsvangirai assinaram em 15 de Setembro um acordo de partilha do poder que prevê a permanência do primeiro como chefe de Estado e que o segundo assuma o cargo de primeiro-ministro.

    Contudo, ainda não se entenderam quanto à composição do futuro governo de união partilhado entre o poder e a oposição, tendo Mugabe atribuído já unilateralmente as principais pastas governativas ao seu partido.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.