Açoriano Oriental
PS diz que suspensão de José Manuel Bolieiro traz "incerteza" para Ponta Delgada

A vereação socialista da Câmara de Ponta Delgada considerou que a suspensão do mandato de José Manuel Bolieiro (PSD) como presidente do município traz “muita indecisão e muita incerteza para o concelho”.

article.title

Foto: Açoriano Oriental/Eduardo Resendes
Autor: Lusa/AO Online

Em declarações à Lusa, o vereador Vítor Fraga afirmou que as declarações de José Manuel Bolieiro “resumem o seu mandato em Ponta Delgada e definem o seu projeto futuro para a região”, acrescentando que trazem “muita indecisão e muita incerteza para o concelho de Ponta Delgada”.

“Não fica, nem sai, não sai nem fica, é, no fundo, muita indecisão junta. A única certeza que temos é o Dr. José Manuel Bolieiro que não quer ser presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, nem presidente do Governo [Regional dos Açores]”, afirmou o socialista.

Vítor Fraga considera que esta “não é uma questão de formalismos, é uma questão objetiva. Há duas figuras distintas - a renúncia, que é [para] quem quer abraçar um outro projeto e sai definitivamente, e há a questão da suspensão. A suspensão pode ir até 365 dias e a verdade é que o Dr. José Manuel Bolieiro pediu a suspensão até 31 de dezembro de 2020”, adiantou o vereador.

José Manuel Bolieiro tinha anunciado em janeiro que iria abandonar a 2 de março a presidência da maior autarquia dos Açores, mas não clarificou, na altura, se renunciava ou se suspendia o mandato.

“Simbolicamente (…) não se trata de um abandono da Câmara Municipal, por isso, não quero seguir a figura de renúncia, que, na prática, será”, disse o autarca.

O presidente da Câmara de Ponta Delgada falava aos jornalistas durante a conferência de imprensa de apresentação da iniciativa de homenagem à imprensa centenária.

José Manuel Boleiro mencionou que, “nos termos da lei, uma suspensão de mandato depois, ao fim de um determinado período legalmente previsto [365 dias], se transforma numa renúncia”.

O autarca disse ainda aos jornalistas que, independentemente do resultado das eleições legislativas regionais, não tenciona retomar as suas funções na Câmara Municipal.

“A minha candidatura, enquanto líder do PSD, é a presidente do Governo, mas, em termos formais, é para fazer verificação de poderes como deputado (…) nem numa, nem noutra circunstância, se pode suspeitar que voltarei à Câmara Municipal”, afirmou.

José Manuel Bolieiro foi eleito em dezembro líder do PSD/Açores, eleição para a qual era o único candidato, com 98,5% votos.

O social-democrata sucede a Alexandre Gaudêncio, que se demitiu do cargo em 15 de outubro, depois de ter sido alvo de uma investigação da Polícia Judiciária por suspeita de violação de regras de contratação pública, de urbanismo e de ordenamento do território enquanto presidente da Câmara da Ribeira Grande.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.