PS/Açores reitera defesa da gestão partilhada do mar

PS/Açores reitera defesa da gestão partilhada do mar

 

LUSA/AO online   Regional   15 de Set de 2018, 18:52

O vice-presidente do PS/Açores e líder da bancada parlamentar do partido no Parlamento açoriano, André Bradford, defendeu hoje um reforço da autonomia, reivindicando a gestão partilhada do mar.

“O PS/Açores rejeita qualquer tipo de relação tutelar sobre a região e não pode aceitar que se utilizem instrumentos regulamentares para interpretar restritivamente conquistas legislativas no âmbito autonómico, como acontece particularmente no caso da gestão dos recursos do mar dos Açores. A gestão de questões comuns implica relações partilhadas, não concedidas, partilhadas”, avançou.

O dirigente socialista falava no XVII Congresso Regional do PS/Açores, que decorre até domingo na Praia da Vitória, na ilha Terceira.

Apresentando as linhas gerais da moção de orientação global “Pelos Açores, com os açorianos”, André Bradford disse que os socialistas açorianos defendem uma autonomia “mais participada”, que seja “mais coesa no plano interno e mais forte no plano externo”, “assegurando contra quem for e em que contexto for que nunca será a soma dos restos da soberania”.

“O PS não busca, não quer, uma autonomia confortável, satisfeita, contentada e reduzida a interessantes mas inconsequentes conceptualizações jurídico filosóficas. O PS quer uma autonomia arrojada, feita de envolvimento, de empenho, de superação”, frisou.

Na Praia da Vitória, onde está instalada a base das Lajes, o vice-presidente do PS/Açores garantiu que o partido “não vacilará” na defesa dos interesses da região, no âmbito do Acordo de Cooperação e Defesa entre Portugal e os Estados Unidos.

“Tal como está a relação de cooperação, o acordo é desequilibrado e não satisfaz as justas pretensões dos Açores, devendo ser revisto. Ou equilibramos a relação por via da redução das facilidades concedidas, ou o Estado português assume na justa medida os custos para a região”, apontou.

André Bradford defendeu ainda um “novo ciclo de políticas de coesão” e a implementação de políticas de ”valorização das diferenças territoriais com base na vocação de cada uma das ilhas”.

“Não é aceitável, é mesmo atentatório do interesse geral, que haja quem se continue a servir das legítimas aspirações dos açorianos de cada ilha para criar divisões e fomentar bairrismos”, criticou.

O dirigente socialista sublinhou que a moção de orientação, apresentada hoje, não se limita a estar preocupada com “o umbigo do partido ou com a gestão das expetativas mediáticas”, mas centra-se no futuro dos Açores, sendo um manifesto de “inquietude” e um testemunho de “busca incessante pelas melhores soluções”.

“Com o desemprego mais baixo dos últimos sete anos e a economia a crescer, com uma maioria política estável e estando nós sensivelmente a meio da legislatura, com as várias oposições em processos internos, mais ou menos visíveis, mais ou menos conturbados, de luta pela liderança, seria muito mais fácil não nos expormos ao risco, jogarmos pelo seguro, optando de forma comodista pelo mero reiterar dos nossos princípios e das nossas políticas. Não foi isso que fez Vasco Cordeiro”, salientou, referindo-se ao líder regional do partido.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.