Arrendamento

Proprietários insistem na necessidade de liberalização das rendas antigas

Proprietários insistem na necessidade de liberalização das rendas antigas

 

Lusa/AO online   Nacional   26 de Dez de 2011, 15:06

A Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) considerou que o novo modelo de actualização das rendas que o Governo deve aprovar ainda este ano, é “muito tímido” e insistiu na liberalização das rendas antigas.
O Diário Económico revela hoje que o Governo quer aprovar uma nova lei do arrendamento, que prevê a renovação das rendas num período mais curto e com base na negociação directa entre senhorio e inquilino.

O inquilino proporá um valor para a actualização da renda e, caso o senhorio não concorde com este valor, o proprietário pode despejar o arrendatário, mas terá de o indemnizar num valor correspondente a cinco anos (60 meses) de renda, explicou Menezes Leitão, presidente da ALP.

“Achamos que não faz sentido nenhum, porque, sendo o proprietário a pagar para o inquilino sair, é como se o imóvel fosse expropriado a favor do inquilino”, afirmou.

O responsável destacou que o inquilino tem, assim, “um duplo benefício” enquanto que há “um ónus excessivo para o proprietário”.

“Não só continua a ter de manter o inquilino com base na renda que o próprio inquilino pode propor, como, no caso de não chegarem a acordo, para recuperar o imóvel tem de pagar cinco anos de renda, o que nós achamos um valor exageradíssimo”, referiu.

Para o dirigente também não tem sentido “estabelecer um condicionamento das rendas baseado no valor do rendimento do inquilino, quando o inquilino tenha um rendimento mais baixo”.

“Não cabe aos proprietários assumir as funções de segurança social do Estado e, portanto, as rendas devem ter o valor do mercado do imóvel e não o valor do rendimento dos inquilinos”, defendeu.

Segundo Menezes Leitão, o que vem na proposta que o Governo quer aprovar até ao final do ano “é algo muito tímido” e a lei ideal seria uma “que liberalizasse as rendas que mandasse caducar os contratos antigos”.

“Foi o que nós defendemos sempre. Que estas rendas antigas, que continuam congeladas, consistem num grande fator de entrave do mercado e, portanto, o Governo deve promover uma efetiva liberalização do arrendamento urbano através da extinção dos contratos antigos”, disse, considerando que, se assim não for, esta será mais “uma reforma falhada”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.