Convenção Democrata de Denver

Obama aparece de surpresa na Convenção Democrata

Obama aparece de surpresa na Convenção Democrata

 

Inês Escobar de Lima e Pedro Morais Fonseca, Lusa/AO online   Internacional   28 de Ago de 2008, 11:30

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, apareceu de surpresa na Convenção do seu partido em Denver para saudar o seu parceiro na corrida à Casa Branca Joe Biden, candidato a vice-presidente.
   Barack Obama ainda não tinha aparecido na Convenção Democrata de Denver, Colorado, a não ser através de videoconferência, na segunda-feira, a seguir ao discurso da sua mulher, Michelle.

    A sua única aparição estava agendada para o dia de hoje, em que encerra a Convenção Democrata.

    Contudo, esta noite, no terceiro dia da Convenção, o senador do Illinois surpreendeu os delegados democratas aparecendo no palco do Pepsi Center depois de Joe Biden ter terminado a sua intervenção, levando ao rubro os milhares de apoiantes que enchiam o pavilhão.

    “Olá democratas. Acho que todos percebem agora porque estou tão orgulhos de ter comigo toda a família Biden nesta corrida”, disse Barack Obama, a seguir a ter abraçado o candidato democrata a vice-presidente dos Estados Unidos.

    Obama fez questão de se dirigir especialmente aos Clinton, presentes na assistência, elogiando novamente o discurso de Hillary da véspera e o discurso que Bill fizera hora e meia atrás.

    “Se não me engano, Hillary Clinton fez vibrar o pavilhão na noite passada. O [antigo] presidente Clinton lembrou-nos o que é ter um presidente que realmente põe as pessoas em primeiro lugar”, disse, motivando uma prolongada ovação.

    O candidato democrata à Casa Branca justificou a mudança da Convenção que ocorrerá hoje do Pepsi Center para o Invesco Field, um estádio com 75 mil lugares, dizendo que “a mudança começa de baixo para cima” e que quer que “todos os que queiram possam juntar-se à festa”.

    Antes de sair do pavilhão, Obama cumprimentou figuras do Partido Democrata como a presidente do Congresso norte-americano Nancy Pelosi e o candidato democrata às presidenciais de 2004 John Kerry.

    Na sua intervenção, o senador do Delaware Joe Biden, que no ano passado disse não acreditar que Barack Obama estivesse preparado para liderar os Estados Unidos, defendeu o contrário.

    “Obama está preparado”, declarou, num discurso em que defendeu que Obama teve razão antes de outros em matérias de política externa como o Afeganistão e o Iraque, ao contrário do candidato republicano às presidenciais de Novembro, John McCain.

    “John McCain diz que Barack Obama não está preparado para garantir a nossa segurança nacional. Então, deixem-me perguntar-vos em quem devemos confiar? Devemos confiar em John McCain que disse há três anos que a situação do Afeganistão estava resolvida ou em Barack Obama que há mais de um ano pediu mais tropas para o Afeganistão?”, perguntou.

    “John McCain estava errado e Barack Obama estava certo”, alegou o senador do Delaware - numa expressão que repetiu sucessivas vezes.

    Biden foi apresentado pelo filho, Beau, que recordou o acidente trágico que vitimou a sua mãe e uma irmã e contou como o pai deu prioridade a cuidar dele e do irmão em prejuizo da actividade política.

    A nomeação de Biden para candidato a vice-presidente dos Estados Unidos foi aprovada por aclamação, à semelhança do que acontecera com a nomeação de Barack Obama para candidato a presidente.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.