Açoriano Oriental
Açores/Eleições
Novo plano de negócios trará soluções para sustentabilidade da SATA, diz PS

O programa eleitoral do PS para as regionais nos Açores enaltece o papel da transportadora SATA como "bandeira" da região, e advoga que o plano de negócios futuro irá "assegurar as melhores soluções para a sustentabilidade financeira" da empresa

Novo plano de negócios trará soluções para sustentabilidade da SATA, diz PS

Autor: AO Online/ Lusa

Na visão do PS, "importa proteger e salvaguardar" o "legado" da SATA e "potenciar" a companhia aérea.

"Para tal, para além das necessárias diligências para que, à semelhança da TAP - Air Portugal, a SATA seja beneficiária dos apoios estatais fundamentais para a revitalização do seu negócio, fortemente afetado pelo contexto da pandemia covid-19, será desenvolvido o plano de negócios que irá assegurar as melhores soluções para a sustentabilidade financeira daquela companhia aérea", refere o programa do PS/Açores, hoje revelado, para as eleições de 25 de outubro.

As duas transportadoras aéreas do grupo SATA - Azores Airlines e SATA Air Açores - fecharam o primeiro semestre com prejuízos de cerca de 42 milhões de euros, e a empresa, devido à covid-19, pediu recentemente um auxílio estatal de 133 milhões de euros, operação aprovada por Bruxelas.

No entanto, a Comissão Europeia abriu um procedimento para Portugal provar que os três aumentos de capital recentes na transportadora açoriana não foram ajudas do Estado, decorrendo atualmente o prazo para o país responder.

Ao mesmo tempo, está em preparação um novo plano de negócios para a SATA, documento feito em articulação com Bruxelas.

O PS sublinha no seu programa eleitoral que "a coesão territorial dos Açores está intimamente ligada à problemática dos transportes, pelo que o investimento na melhoria das acessibilidades contribuirá para o reforço desta mesma coesão".

Nesse sentido, o partido, que lidera o Governo dos Açores desde 1996, apresenta medidas como o apoio à realização de projetos de desenvolvimento da frota do tráfego local que presta serviços de transporte marítimo de mercadorias ou a compensação de custos nas obrigações de serviço público nos transportes marítimos interilhas.

No campo da saúde, o PS quer criar um "hospital digital".

"Com o desenvolvimento tecnológico da conectividade através do digital abre-se a possibilidade de uma reforma radical do funcionamento do sistema de saúde regional, dentro da sua organização e funcionamento e na ligação com os utentes, ultrapassando de forma substancial os estrangulamentos e bloqueios derivados de um território arquipelágico e disperso", diz o texto socialista na apresentação desta medida.

Com a maior digitalização do setor será possível, por exemplo, haver um registo eletrónico de saúde para cada cidadão, "permitindo a partilha da informação clínica entre todos os níveis de cuidados".

Para além disso, poderá ser potenciada a telemedicina, "visando aumentar o acesso aos cuidados primários de saúde e o recurso a certas especialidades médicas".

Será também uma mais-valia a monitorização "em qualquer lugar e a qualquer hora" dos pacientes com doenças crónicas e a partilha dos exames de diagnóstico "entre todos os operadores do setor, públicos ou privados".

O PS compromete-se também a "elaborar e implementar o Plano Regional de Saúde 2021-2027, nos termos previstos no Estatuto do Serviço Regional de Saúde, enquanto instrumento estratégico para o desenvolvimento da saúde na região, no que concerne à promoção de estilos de vida saudáveis e prevenção de comportamentos de risco, ao combate às doenças crónicas, às doenças cérebro cardiovasculares e às doenças oncológicas".

"Apoios complementares, extensíveis à família" dos profissionais de saúde, são também prometidos pelo PS como incentivos à fixação de quadros do setor.

As próximas eleições para o parlamento açoriano decorrem em 25 de outubro.

Nas anteriores legislativas açorianas, em 2016, o PS venceu com 46,4% dos votos, o que se traduziu em 30 mandatos no parlamento regional, contra 30,89% do segundo partido mais votado, o PSD, com 19 mandatos, e 7,1% do CDS-PP (quatro mandatos).

O BE, com 3,6%, obteve dois mandatos, a coligação PCP/PEV, com 2,6%, um, e o PPM, com 0,93% dos votos expressos, também um.

O PS governa a região há 24 anos, tendo sido antecedido pelo PSD, que liderou o executivo regional entre 1976 e 1996.

Vasco Cordeiro, líder do PS/Açores e presidente do Governo Regional desde as legislativas regionais de 2012, após a saída de Carlos César, que esteve 16 anos no poder, apresenta-se de novo a votos para tentar um terceiro e último mandato como chefe do executivo.



 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.