Livros em braille aguardam por leitores na prateleira da biblioteca

Livros em braille aguardam por  leitores na prateleira da biblioteca

 

Lusa   Regional   15 de Dez de 2008, 09:45

A Biblioteca Pública de Ponta Delgada tem a funcionar desde Maio de 2007 um serviço especial de empréstimo de livros em braille, mas até ao momento nenhum dos 670 títulos tratados foi requisitado.
A Chefe de Divisão da Biblioteca, Iva Matos, adiantou à agência Lusa que esta realidade poderá estar relacionada com o facto de haver no arquipélago menos de vinte pessoas que sabem ler este tipo de linguagem.
O braille é um sistema de leitura e escrita universal através do tacto, que foi inventado para os cegos pelo francês Louis Braille em 1829.
Segundo Iva Matos, as associações e instituições que trabalham com invisuais e pessoas com dificuldades de visão, na ilha de São Miguel, foram informadas da abertura deste novo serviço da biblioteca, mas a procura tem sido quase nula.
“No período de um ano registamos apenas um utilizador, mas foi um professor que orientava um invisual para o doutoramento ou uma pesquisa. Veio conhecer o serviço, mas depois não requisitou o livro”, afirmou Iva Matos, acrescentando que no início do projecto havia a intenção de adquirir computadores com características especiais e reservar parte da sala de leitura para os invisuais.
A aguardar nas estantes estão livros técnicos, escolares e literatura, obras que foram doadas à biblioteca por escolas e instituições da Região.
Além dos 670 títulos ao dispor dos leitores, a biblioteca de Ponta Delgada, conta, ainda, com mais 1500 volumes por tratar, que estão guardados no arquivo, referiu Iva Matos.
“Temos todas as condições para as pessoas virem cá, sem barreiras arquitectónicas. Julgo que não estão a aproveitar bem essa nova janela aberta para o mundo. É uma pena”, afirmou Iva Matos, que lançou o apelo: “venham à biblioteca e perguntem a qualquer funcionário, porque temos uma base de dados específica para livros em braille”.
Os portadores invisuais do cartão de leitor poderão levar para casa vários livros em simultâneo, durante vinte dias úteis, ao passo que um leitor normal só tem direito a requisitar três títulos, por dez dias explicou a Chefe de Divisão da Biblioteca.
A Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada, criada em 1841, funciona de segunda a sexta-feira entre as 9 e as 19 horas e aos sábados entre as 14 e as 19 horas.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.