José Sócrates deixou Caracas com novos acordos por 1655,9 milhões de euros

José Sócrates deixou Caracas com novos acordos por 1655,9 milhões de euros

 

lusa   Nacional   30 de Mai de 2010, 12:36

O Primeiro-ministro português, José Sócrates finalizou hoje uma curta visita à Venezuela, durante a qual foram assinados 19 novos acordos por 1655,9 milhões de euros, em diversas áreas e para impulsionar a cooperação bilateral.

Os novos acordos foram assinados no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, e envolvem as empresas portuguesas Lena, Estaleiros Navais de Viana do Castelo, YouYsu, EDP, Janz, Efacec, Eip, Atral Cipan, Sovena, Vetagri, Montebravo, Sapropor, Primor, Conservas Ramirez, Cerealis e Cofaco.

O primeiro acordo assinado contempla a construção de 12.500 habitações sociais, a transferência de tecnologia para a criação de três fábricas móveis e estrutura de apoio para a construção civil.

A Venezuela e Portugal assinaram uma ata compromisso para a aquisição, de parte de Caracas, de 525.000 computadores portáteis Magalhães, que localmente são conhecidos como Canaima, para serem utilizados por estudantes do ensino primário venezuelano.

Oito dos acordos assinados têm a ver com o fortalecimento do sistema elétrico venezuelano abrangendo o abastecimento de contadores, transformadores de potências, subestações móveis, equipamentos de montagem, automatização da distribuição de energia elétrica.

Também a realização de estudos para projetos de geração “chave em mão”, estudo, diagnóstico e reparação de autotransformadores, reabilitação de linhas de transmissão, instalação de um laboratório de materiais de soldadura e outro de metrologia para o setor elétrico.

Ambos os países vão cooperar ainda no desenvolvimento de um sistema de geração hídrico e térmico e na execução de um mapa solar e eólico na Venezuela e em Dominica.

Lisboa e Caracas assinaram uma ata e compromisso para analisar a compra de um ferryboat para impulsionar o turismo nacional e a construção de dois navios transportadores de asfalto de 27.000 toneladas métricas de porte bruto.

Entre os acordos assinados está a compra de vários produtos farmacêuticos e a realização de estudos para a construção e exploração de uma fábrica de medicamentos.

Portugal e a Venezuela vão cooperar ainda no intercâmbio de experiências e no desenvolvimento de planos formativos em matéria de proteção às pessoas no acesso a bens e serviços e no desenvolvimento de planos em matéria de normas de qualidade.

Os últimos dois acordos assinados têm a ver com a criação de um grupo de trabalho para a instalação de uma fábrica transformadora de granitos, no Estado venezuelano de Bolívar (a sudoeste de Caracas) e a construção de um complexo para a produção de tijolos de barro nessa mesma localidade.

Segundo dados anexados à listagem dos acordos, três dos documentos são pelo valor de 243,2 milhões de euros, e os restantes por 1751,8 milhões de dólares (1412,7 milhões de euros), totalizando 1655,9 milhões de euros.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.