Expo'98 encerrou há 20 anos e devolveu a zona oriental a Lisboa

Expo'98 encerrou há 20 anos e devolveu a zona oriental a Lisboa

 

Lusa/Ao online   Nacional   30 de Set de 2018, 13:23

A Exposição Mundial de 1998, em Lisboa, dedicada aos Oceanos, fechou as portas há 20 anos, depois de quatro meses com milhares de atividades culturais, que levaram à nova zona de Lisboa 11 milhões de espetadores.

A Expo'98 recebeu o tema "Os oceanos: um património para o futuro", realizou-se de 22 de maio a 30 de setembro de 1998 para comemorar os 500 anos dos Descobrimentos Portugueses e foi um marco na renovação da zona oriental da cidade de Lisboa, que estava então muito degradada.

O evento teve a participação de 143 países e 14 organizações internacionais em pavilhões individuais, que, na generalidade, respeitaram o tema dos Oceanos.

Foram realizados espetáculos com grandes nomes da música e de uma grande diversidade cultural e musical.

Os visitantes tinham como opção um bilhete de um dia (25 euros), três dias (62,35 euros) e bilhetes diários apenas para a parte da noite (12,50 euros) e um livre-trânsito (250 euros).

O logótipo da Expo'98 representava o mar e o sol e a mascote, uma grande onda azul, foi batizada de Gil, em homenagem ao navegador Gil Eanes.

A ideia surgiu em 1989 dos promotores da comissão para as comemorações dos 500 anos dos Descobrimentos portugueses António Mega Ferreira e Vasco Graça Moura e obteve o apoio do Governo, então liderado por Aníbal de Cavaco Silva.

Os edifícios que serviram de base à Expo foram projetados com a intenção de serem reaproveitados para outras funções após o encerramento da exposição.

O projeto da exposição correu paralelamente à realização de grandes obras públicas como a nova linha vermelha do Metropolitano de Lisboa e a estação de comboios do Oriente, projetada pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, além da ligação a sul com a construção da ponte Vasco da Gama.

A última noite da exposição acabou já na madrugada de 01 de outubro de 1998 e teve a maior enchente de visitantes, estimando-se que entraram no recinto depois das 20:00 cerca de 215 mil pessoas.

Este número é apenas indicativo, porque, a determinada altura, por razões de segurança, os torniquetes de entrada foram destrancados, permitindo o livre acesso.

Depois do encerramento, o recinto esteve fechado até 15 de outubro, reabrindo já como Parque das Nações.

Quanto aos espaços da exposição, a entrada principal da exposição reabriu, entretanto, como centro comercial Vasco da Gama, os pavilhões que receberam os países convidados foram transformados na nova Feira Internacional de Lisboa, o Pavilhão da Utopia é atualmente o Altice Arena, o Pavilhão do Conhecimento é um museu e o Pavilhão do Futuro foi transformado no Casino Lisboa. O Oceanário manteve a sua função.

A zona envolvente do Parque das Nações foi sendo vendida para habitação e escritórios e hoje é uma das mais procuradas e caras de Lisboa.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.