Centenas de polícias nas ruas de Rangun

Centenas de polícias nas ruas de Rangun

 

Lusa / AO online   Internacional   26 de Out de 2007, 16:45

Centenas de polícias, munidos de armas automáticas e gás lacrimogéneo, foram esta sexta-feira destacados nas ruas de Rangun, numa súbita demonstração de força, após várias semanas de relativa acalmia, na maior cidade birmanesa, segundo a CNN.
A estação de televisão norte-americana refere que a segurança é particularmente rigorosa no portão leste do pagode de Shwedagon Pagoda, onde os monges foram agredidos exactamente há um mês quando a polícia dispersou uma grande manifestação.

A CNN adianta que arame farpado foi colocado em torno dessa área enquanto a polícia se posicionava também perto do pagode de Sule no coração da cidade e noutros pontos onde também se realizaram manifestações, há um mês.

Esta sexta-feira assinala-se o fim do período de jejum budista, data em que os monges podem sair dos mosteiros e viajar.

Segundo a CNN, não houve sinais imediatos de protestos públicos, mas milhares de peregrinos deslocaram-se ao pagode de Shwedagon, bem como a outros.

A estação de televisão refere que um jornalista da Birmânia que tentou tirar uma fotografia dos peregrinos na porta leste do pagode de Shwedagon foi de imediato cercado por dezenas de polícias e proibido de fotografar.

O reaparecimento da polícia em Rangun ocorre um dia depois de a líder pro-democracia Aung San Suu Kyi se ter reunido com o novo responsável nomeado pelo governo birmanês, na sequência de uma tentativa das Nações Unidas de conseguir uma reconciliação entre as duas partes.

Tratou-se da primeira reunião - que se conheça - entre Suu Kyi, que se encontra em prisão domiciliária, e o "ministro para as relações", o general na reserva Aung Kyi, nomeado a 08 de Outubro para as conversações com a líder da oposição.

Os protestos na Birmânia começaram a 19 de Agosto depois de o governo ter aumentado o preço do combustível naquele que é um dos países mais pobres da Ásia.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.