Cavaco Silva sublinha "importância decisiva" de incentivos à natalidade

Cavaco Silva sublinha "importância decisiva" de incentivos à natalidade

 

Lusa   Nacional   19 de Dez de 2009, 13:55

O Presidente da República manifestou hoje “grande preocupação pelo inverno demográfico” que Portugal atravessa, sublinhando que “um país sem crianças é um país sem futuro” e alertando para a “importância decisiva” dos apoios à natalidade e à protecção dos mais jovens.

“Se não existem crianças avançamos rapidamente para um envelhecimento da população e todos sabemos que a consequência de um rápido envelhecimento da população é o baixo crescimento económico e uma grande dificuldade em satisfazer os apoios sociais aos mais idosos”, afirmou Cavaco Silva.

O chefe de Estado, que falava durante uma visita à Associação de Pais e Amigos das Crianças do Hospital São Francisco Xavier, “Os Francisquinhos”, vincou que a questão da baixa taxa de natalidade “é tão importante” que a referiu na mensagem de Ano Novo em 2008.

“Um país sem criança é um país sem futuro, por melhores que sejam as políticas económicas, por melhores que sejam os aeroportos, os portos, as estradas que nós tenhamos”, alertou.

Neste sentido, Cavaco manifestou “grande preocupação pelo inverno demográfico” do país: “Este ano que vai terminar pensa-se que o número de nascimentos vai ficar próximo dos cem mil, é bastante menos que o número de nascimentos do ano anterior”.

“Será muito perigoso que se venha abaixo do patamar dos cem mil nascimentos por ano, isto significa que neste momento o número de filhos por mulher em Portugal é de 1,35 [por cento]. Para conseguir ocorrer uma reposição de gerações é preciso dois filhos por cada mulher, estamos muito longe de conseguir substituir aqueles que, entretanto, vão desaparecendo”, afirmou.

“Eu não acredito que tenha desaparecido entre os portugueses o entusiasmo por trazer novas vidas ao mundo, não acredito, o que penso é que são precisas políticas e iniciativas para ajudar os pais, as mães empregadas, a poderem cuidar dos seus bebés e a importância de dar a conhecer exemplos como os ‘Francisquinhos’, teria todo o interesse que este exemplo pudesse ser replicado noutras partes do território nacional”, advogou Cavaco Silva.

O Presidente da República assinalou a “importância de políticas como as creches, infantários nas empresas e a não discriminação das mulheres empregadas que querem ter filhos”, bem como “a valorização da família, que é o primeiro espaço de afecto e de solidariedade”.

Enquanto se dirigia às várias dezenas de pais e crianças que estiveram presentes na sua visita, Cavaco manifestou a sua “felicidade de ter filhos e de agora ter também netos” e disse lamentar que a sua actividade política e carreira académica não lhe tenham dado mais tempo para os seus filhos quando eram crianças,

“Eles só nos deram alegrias ao longo da vida, a alegria de chegarmos a casa e de saltarem para cima de nós, as grandes aventuras que tivemos quando tinham cinco ou seis anos, em Inglaterra, na Escócia, na Noruega, na Suécia, na Dinamarca, quando eu estudava na Universidade de York”, relatou.

“Sinto um estremecimento interior só de pensar que poderia não ter tido filhos”, revelou o chefe de Estado, emocionado.

No final da sua visita aos “Francisquinhos”, Cavaco Silva recusou responder às questões dos jornalistas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.