Candidatos ao ensino superior privado descem


 

Lusa/AO On line   Nacional   12 de Out de 2009, 06:48

O número de alunos matriculados no ensino superior privado caiu 23 por cento nos últimos dez anos, mas a descida é apenas ao nível do sistema universitário, que entre 1998/99 e 2008/09 perdeu mais de 28 mil estudantes.

O ensino superior privado tinha 117 933 alunos em 1998/99, mas volvidos dez anos são apenas 90 564 os estudantes que frequentam este tipo de instituição (menos 23,2 por cento), segundo dados do Ministério do Ensino Superior.

Desagregando os números, verifica-se que apenas as universidades contribuíram para aquela descida, passando de 89 361 para 60 755 o número de alunos inscritos, ou seja, menos 28 606 (menos 32 por cento).

Já os institutos politécnicos, registam mais 1237 alunos, passando de 28 572 para 29 809 em igual período (mais quatro por cento). Ainda assim, os politécnicos já chegaram a ultrapassar a barreira dos 33 mil alunos em 2002/03 e 2003/04.

Esta quebra poderá ser explicada pela redução do número de vagas no ensino superior privado - menos cerca de 7500 do que há dez anos - mas também pelo aumento dos lugares disponibilizados nas universidades e politécnicos públicos: 43 293 em 1998/99 contra 51 081 no último ano lectivo.

Segundo dados do Governo, o ensino superior privado registava em 1998/99 quase 24 mil inscritos no 1º ano/1ª vez e 27 384 no último ano lectivo.

Mas num curto espaço de tempo, houve grandes variações: em 2005/06 eram mais de 19 mil e em 2007/08 perto de 30 mil.

Quanto a diplomados, o subsistema privado registou 208 339 entre 1997 e 2007, representando 33,9 por cento do total - as universidades e politécnicos públicos são responsáveis por 66,1 por cento.

As universidades privadas emitiram neste período mais de 114 mil diplomas (18,6 por cento do total) e os politécnicos privados quase 94 mil (15,3 por cento do total).

Relativamente ao número de desempregados com formação superior, e segundo dados de 2008, o ensino privado registava 11 426, dos quais 8108 eram provenientes das universidades e 3318 dos politécnicos.

Quanto ao número de docentes, eram 11 444 em 2001 e 10 347 em 2007, o que representa uma diminuição de 9,5 por cento.

Mais uma vez, nos politécnicos havia mais 49 docentes enquanto nas universidades eram menos 1146.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.