Barão de droga mexicano condenado a prisão perpétua


 

Lusa / AO online   Internacional   6 de Nov de 2007, 11:20

O barão da droga mexicano, Francisco Javier Arellano Félix, um dos principais traficantes de estupefacientes do Mundo, segundo as autoridades norte-americanas, foi condenado segunda-feira a prisão perpétua em San Diego, Califórnia.
Segundo fonte judicial, Arellano Felix, líder do cartel de Tijuana, foi condenado pelo juiz federal Larry Burns, uma decisão que era esperada desde 17 de Setembro, altura em que o acusado se declarou como culpado e recusou um processo de contraditório.

Antes do juiz Burns ter pronunciado a sentença, o advogado de Arellano Félix leu, durante a audiência, uma carta do seu cliente na qual este pediu perdão.

“Quero pedir perdão à minha mãe, à minha esposa e aos meus filhos por deixá-los sozinhos enquanto cumpro uma pena de prisão perpétua devido aos meus actos faltosos e às minhas actividades ilegais. Perdoem-me”, afirmou o traficante.

“Estou cheio de remorsos e aceito assumir a responsabilidade dos meus actos. Se pudesse emendar o que fiz, era o que faria”, disse Félix, na mesma carta.

Ao declarar-se culpado, em Setembro, Arellano Félix conseguiu um acordo com o ministério público para evitar a pena capital.

Arellano Félix reconheceu ter dirigido uma organização criminosa e ter participado em operações de branqueamento de dinheiro.

O acusado, filho mais novo de uma família que dirige o tráfico de droga de Tijuana desde o início dos anos 1980, não poderá beneficiar de uma libertação condicional, que não existe no sistema judicial federal, pelo que passará o resto da sua vida detido.

O acordo concluído com o procurador federal inclui o pagamento de uma multa de 50 milhões de dólares.

Arellano Felix foi capturado em meados de Agosto de 2006 por guardas costeiros norte-americanos quando pescava num barco em águas internacionais ao largo de La Paz, na Baixa Califórnia, México.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.