Açoriano Oriental
Covid-19
Autarca da Madalena pede ‘consciência cívica’ à população

José António Soares apela, principalmente aos que regressaram, que continuem a cumprir as medidas decretadas por forma a que não haja propagação do vírus

article.title

Foto: Eduardo Resendes
Autor: Susete Rodrigues/AO Online

“É uma situação atípica, vemos pouca gente a circular na vila e nas freguesias. Os restaurantes estão fechados, os bancos, os serviços públicos, o comércio, digamos que tudo está parado ou quase parado”. É desta forma que José António Soares, presidente da Câmara Municipal da Madalena do Pico descreve como a população vive esses dias.

As recomendações e medidas decretadas pelo Governo dos Açores e pela autarquia estão a ser cumpridas e sente-se nas pessoas “alguma ansiedade. Estamos a viver um dia de cada vez, com a maior serenidade que é possível. Estamos todos ‘dentro do mesmo barco’ para chegarmos a bom porto”.

No entanto, no fim de semana passado e no início desta semana, José António Soares, confessa que existiu um pouco de pânico na população e a corrida aos hipermercados “foi mais ‘intensa’”, mas garantiu que os “dois hipermercados da ilha estão a funcionar com regularidade e já se reabasteceram. Portanto, não há rutura de bens essenciais” e, aqueles que não se podem deslocar, a autarquia está a apoiar, nomeadamente “o nosso serviço social está a prestar apoio aos idosos do concelho e às pessoas mais necessitadas”. Também “temos esta ‘linha aberta’ para os estudantes regressados e os visitantes que estão em quarentena”. Isso porque e, tal como em outras ilhas, alguns estudantes decidiram regressar à sua terra: “Sei que recebemos estudantes que estão de quarentena e também alguns visitantes que estão a cumprir essa mesma medida”, explicou o autarca, esperando, contudo, “que continuem a cumprir o período de quarentena que foi decretado e que a consciência cívica de cada um sobressaia a qualquer desejo de sair de casa e contactar com outras pessoas”.

O facto das viagens interilhas da SATA Air Açores e as da Azores Airlines estarem suspensas é uma excelente medida, na opinião de José António Soares, que “já deviam de ter sido há muito mais tempo”.

Sabemos que o presidente do Governo dos Açores fez questão de pedir esta medida à República mas não foi possível”. “É uma boa medida porque assim cada ilha consegue sobreviver e receber o que é necessário para a sua sobrevivência. É muito mais fácil conter a propagação desse vírus, do que estar com ‘fronteiras abertas’”.

Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.