Face Oculta

Advogado de Vara louva presença do "pai da criança", referindo-se aos procuradores responsáveis pela acusação


 

Lusa/AO Online   Nacional   8 de Nov de 2011, 12:02

O advogado de Armando Vara no caso 'Face Oculta' louvou hoje a presença na sala de audiências do "pai da criança", referindo-se aos procuradores do Ministério Público (MP) Marques Vidal e Carlos Filipe, responsáveis pela acusação.

Na primeira sessão do julgamento, que hoje começou no tribunal de Ovar, Tiago Rodrigues Bastos disse que pretende demonstrar que os factos relativamente ao seu cliente, ainda que fossem verdadeiros, não eram suscetíveis de constituir qualquer tipo de crime.

Considerou ainda que a acusação “é falaciosa” e disse esperar que o tribunal possa dizer qual o entendimento “meramente jurídico” sobre os factos apresentados pelo MP, designadamente se a EDP imobiliária pode ser considerada uma empresa pública e se o arguido Paiva Nunes pode ser considerado um funcionário.

“Os tribunais têm obrigação de resolver estas questões meramente técnicas para não esperarmos meses e meses”, disse, acrescentando: “Neste momento impõem-se que deixemos de lado considerações de leigo e fazer um debate puramente técnico”.

O arguido Lopes Barreira ausentou-se do tribunal cerca das 12:15 para ir fazer diálise em Lisboa e a sessão acabou por ser interrompida para almoço às 12:30 para se retomarem os trabalhos às 13:50.

O processo, com 36 arguidos (34 pessoas e duas empresas), mais de 50 advogados e centenas de testemunhas arroladas, é composto por cerca de 130 volumes e mais de três centenas de apensos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.