Banca

Abu Dhabi injecta 7,5 mil milhões de dolares no Citigroup

Abu Dhabi injecta 7,5 mil milhões de dolares no Citigroup

 

Lusa / AO online   Economia   27 de Nov de 2007, 12:01

O Emirado de Abu Dhabi vai injectar 7,5 mil milhões de dolares no Citigroup, primeiro banco mundial, um dos mais afectados pela crise do "suprime", adquirindo a prazo até 4,9 por cento do seu capital, anunciou o Citigroup segunda-feira à noite.
De acordo com um comunicado divulgado segunda-feira à noite pelo Citigroup, o investimento será realizado pelo Abu Dhabi Investment Authority (ADIA), o fundo de investimento soberano de Abu Dhabi, um dos sete Estados membros dos Emirados Árabes Unidos (EAU).

O Citigroup explica ter chegado a um acordo com o fundo de Abu Dhabi para lhe vender títulos em acções por 7,5 mil milhões de dólares, mas sublinha que o fundo só terá um papel limitado.

O fundo ADIA "aceitou não deter mais do que 4,9 por cento das acções, e não terá direitos especiais, nem papel na direcção estratégica do Citigroup, nem o direito de designar um membro do conselho de administração", frisa o banco.

Esta injecção de dinheiro fresco é bem-vinda para o Citigroup, que foi seriamente abalado pela crise dos créditos hipotecários de risco ("subprime"), na sequência da qual dispensou o seu presidente.

Depois de ter anunciado depreciações significativas da sua carteira de activos, o banco destituiu com efeito no início de Novembro o seu presidente Charles Prince, uma das figuras de Wall Street, e acaba de anunciar que poderá ainda ter de proceder a novas depreciações de activos, num montante de 11 mil milhões de dólares.

Este apelo ao emirado constitui uma nova prova do peso financeiro crescente dos Emirados Árabes Unidos, que graças às receitas petrolíferas impulsionadas pela escalada dos preços do barril de crude, próximo dos 100 dólares, multiplicam os investimentos em grandes sociedades e bolsas internacionais nos últimos meses.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.