1º ministro japonês anuncia demissão


 

Lusa/AO Online   Internacional   26 de Ago de 2011, 07:23

O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, anunciou hoje a sua demissão após a aprovação pelo parlamento de duas leis para alavancar a reconstrução no pós-sismo, abrindo caminho a um sexto líder do Governo em cinco anos.

A agência de notícias nipónica Kyodo avançou hoje que Naoto Kan anunciara a sua demissão da liderança do Partido Democrático, no poder, o que significa o abandono das suas funções de primeiro-ministro.

“Demito-me hoje do meu cargo de presidente (do partido)”, afirmou Naoto Kan a responsáveis da sua formação política, de acordo com a agência Jiji.

O Partido Democrático tinha informado na segunda-feira que iria eleger um novo presidente no dia 29, tendo em vista a substituição de Naoto Kan na liderança do Governo, e o parlamento deverá, na próxima terça-feira, votar a sua designação como primeiro-ministro.

Kan, de 64 anos, nomeado primeiro-ministro em junho de 2010, viu a sua popularidade atingir recordes mínimos após o sismo e tsunami de 11 de março e garantiu, em junho, que se iria demitir na sequência da sua gestão do desastre e da consequente crise nuclear de Fukushima após a aprovação de três pacotes financeiros para a reconstrução do país.

O responsável viu aprovado, em julho, o segundo plano para a reconstrução do país e hoje outras duas leis para a emissão de dívida para financiar o processo e outra para a promoção das energias renováveis.

O ministro das Finanças, Yoshihiko Noda, o ministro do Comércio, Banri Kaieda, e o ex-ministro dos Transportes Seiji Maehara anunciaram a sua intenção de se candidatarem à presidência do partido, que chegou ao poder nas eleições de agosto de 2009 e depois de 54 anos de liderança da oposição num país que teve desde 2006 cinco primeiros-ministros.

A campanha à liderança do Partido Democrático inicia-se no sábado.

O sucessor de Naoto Kan será o sexto primeiro-ministro do Japão em cinco anos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.