Saúde

Vinte novos casos de melanoma anualmente nas ilhas


 

Lusa/AO online   Regional   12 de Set de 2008, 13:00

Cerca de vinte casos de melanoma (cancro de pele) surgem anualmente nos Açores, principalmente devido à exposição solar exagerada, alertou a directora do serviço de dermatologia do Hospital de Ponta Delgada.
"Com uma incidência anual de oito casos novos por 100.000 habitantes a nível nacional, podemos deduzir que nos Açores surgirão cerca de 20 casos de melanoma anualmente", adiantou à agência Lusa Patrícia Santos.

    Dados do Hospital de Ponta Delgada, a que a agência Lusa teve acesso, revelam que, entre Maio e Agosto deste ano, registaram-se 48 admissões no Serviço de Urgência por queimaduras solares.

    Pelas mesmas razões, 36 pessoas dirigiram-se no último ano às urgências da maior unidade de saúde dos Açores, contra as 44 verificadas entre Maio e Agosto de 2006.

    Segundo Patrícia Santos, as alergias de pele (eczemas), acne, infecções cutâneas (fungos, bactérias e vírus), os "sinais" e tumores da pele são as principais causas de referência à Consulta de Dermatologia.

    "A população açoriana tem uma incidência elevada de doenças de pele, das quais se destacam as que têm uma base hereditária, resultantes de muitos anos de consanguinidade, o caso da psoríase, provavelmente a doença de pele mais prevalente na nossa população", sustentou a especialista.

    A responsável considerou, porém, que as pessoas "procuram cada vez mais o especialista à mínima alteração de um sinal".

    "Isto leva a que se diagnostiquem melanomas em fases iniciais (com maior probabilidade de cura), mas a maior ênfase deve ser dada à prevenção primária, antes do aparecimento da doença", salientou Patrícia Santos, evidenciando "a grande adesão" aos rastreios do cancro cutâneo feitos pelo Hospital de Ponta Delgada.

    A especialista alerta, contudo, que "existe ainda actualmente uma indiscutível pressão social para que as pessoas estejam bronzeadas, sobretudo no Verão".

    "É preciso também incutir a ideia na população de que o bronzeado rápido e exagerado tem que passar de moda, para bem da saúde das pessoas", afirmou a responsável, alertando para o efeito nocivo que a radiação solar excessiva tem na pele.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.