Açoriano Oriental
Unidade de Saúde da Ilha Terceira rejeita ter violado direito à greve

A Unidade de Saúde da Ilha Terceira (USIT), rejeitou que tenha recorrido a trabalhadores de programas ocupacionais para substituir funcionários em greve, no passado dia 31, como acusou o SINTAP.

article.title

Foto: Arquivo AO/Eduardo Costa
Autor: Lusa/AO Online

“No dia 31 de janeiro, dos sete balcões do Centro de Saúde de Angra do Heroísmo, só três estiveram a funcionar. O serviço foi assegurado por duas trabalhadoras com contrato de trabalho em funções públicas, nos respetivos turnos, e dois estagiários de secretariado, ao abrigo do programa Estagiar T, sob responsabilidade da sua orientadora, que também se encontrava ao serviço”, avançou a administração da USIT, numa resposta por escrito a questões colocadas pela Lusa.

A administração Unidade de Saúde da Ilha Terceira, que integra o Centro de Saúde de Angra do Heroísmo, sublinhou que “não recorreu a trabalhadores desempregados abrangidos por programas ocupacionais no dia 31 de janeiro para substituir assistentes técnicos em greve”.

Quanto aos dois estagiários, disse que “desempenharam funções de ‘frontoffice’ e ‘backoffice’ no dia da greve, “como em outros dias”.

“Como consta dos objetivos do programa Estagiar T, este deve decorrer em ‘contexto real de trabalho’ e ‘em situação real do trabalho’”, frisou a administração.

O Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública e das Entidades com Fins Públicos (SINTAP) nos Açores revelou  que apresentou queixas à Procuradoria-Geral da República e à Inspeção Regional do Trabalho, por uma alegada violação do direito à greve por parte da Unidade de Saúde da Ilha Terceira.

"Trata-se de uma situação grave, flagrante, ostensiva de violação do direito à greve, nomeadamente na norma da Constituição e da lei que diz que os trabalhadores grevistas não podem ser substituídos durante a greve por trabalhadores contratados externos ao serviço ou de outro serviço", afirmou, em declarações à Lusa, o coordenador do SINTAP/Açores, Francisco Pimentel.

O sindicato acusou a Unidade de Saúde da Ilha Terceira de ter utilizado trabalhadores de programas ocupacionais em substituição de trabalhadores do quadro, no serviço de atendimento ao público do Centro de Saúde de Angra do Heroísmo, na greve geral do passado dia 31 de janeiro.

Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.