Banca

Sistema financeiro europeu está numa situação "excelente"

Sistema financeiro europeu está numa situação "excelente"

 

Lusa / AO online   Economia   24 de Out de 2007, 18:37

O director de 'research' para a Europa do BBVA, António Pulido Martinez, defendeu esta quarta-feira que o sistema financeiro está numa situação "excelente", estando afastado qualquer problema de liquidez na banca.
"Os bancos [europeus] não estão numa situação delicada, o sistema financeiro está numa situação excelente. Não há problema de liquidez", garantiu o responsável numa conferência no Porto sobre riscos financeiros na perspectiva da empresa.

Para Pulido Martinez, antes da "actual turbulência" que afectou os mercados internacionais e que foi despoletada pela crise no segmento imobiliário norte-americano 'suprime' (de alto risco), os bancos estavam com uma situação de solvência "muito importante".

"Acreditamos que o risco actual é passageiro e que quando o mercado de crédito comece a normalizar-se, como já o está a fazer desde o início de Outubro, a banca vai voltar a uma situação normal, com um modelo financeiro fortalecido", disse.

Para o analista, em Agosto, quando se falava num "medo" de falta de liquidez da banca, os créditos a privados - famílias e empresas - cresceu acima dos 12 por cento e por isso não houve desaceleração do crédito, mas sim um temor de que isso acontecesse.

"Quando o mercado se normalizar, esse temor irá necessariamente desacelerar-se", frisou.

O que pode demorar mais um pouco, na opinião do analista, é que os investidores voltem a ter confiança em aplicações com maior alavancamento financeiro, apostando num maior controle do risco e na maior transparência da valorização, o que acaba por ser "bom" para o sistema.

De acordo com Pulido Martinez, a "complexidade" da turbulência nos mercados demorará assim mais alguns meses a passar, mas quando ultrapassada, a banca sairá ganhadora na medida em que irá controlar mais o risco.

As agências de 'rating', por sua vez, vão passar a controlar melhor os efeitos "colaterais".

Para os próximos cinco anos, Pulido Martinez recomenda algumas formas de adaptar o custo de financiamento, nomeadamente através do embaratecimento dos financiamentos, aproveitando a expectativa a favor de curvas futuras "mais positivas", especialmente em produtos de maior alavancamento.

O especialista do BBVA estima assim que a economia mundial resista a mais uma crise financeira, devido, por um lado, ao crescimento dos países emergentes (China e Índia) e, por outro lado à manutenção de juros baixos e do dólar fraco.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.