Venezuela

Pelo menos 14 portugueses foram sequestrados desde Janeiro

Pelo menos 14 portugueses foram sequestrados desde Janeiro

 

Filipe Gouveia - Lusa / AO online   Internacional   6 de Nov de 2007, 10:58

Pelos menos 14 portugueses foram sequestrados, desde Janeiro de 2007, na Venezuela, dos quais dois permanecem em cativeiro, segunda dados de casos que a Agência Lusa foi registando ao longo do ano, com base em depoimentos de familiares, amigos e da polícia.
Os últimos dois casos conhecidos são os do agricultor José Manuel Vieira, 48 anos, sequestrado desde 30 de Outubro no Estado de Yaracuy, após ser abordado por cinco homens armados.

Em cativeiro permanece também uma estudante portuguesa, Ana Cristina de Sousa, 23 anos, sequestrada por desconhecidos na noite de 2 de Novembro, na cidade de Maracaibo.

Há ainda a registar o sequestro, a 20 de Outubro, na localidade de San Felipe, de Elizabeth Franco de Sargo, de nacionalidade italiana e casada com o emigrante madeirense Hilário Sargo, que não faz parte das estadísticas por não ter nacionalidade portuguesa.

O total de raptados não inclui os casos de "sequestro expresso", uma modalidade que consiste em privar as pessoas da liberdade, durante algumas horas e obrigá-las a efectuar levantamentos do multibanco ou que familiares entreguem algum dinheiro em notas, num sítio combinado.

Também há os casos em que só os veículos interessam aos raptores. Nestas situações, depois de passearem as vítimas, os sequestradores optam por deixá-las abandonadas em sítios distantes da zona de residência com instruções de no dia seguinte entregar uma determinada quantia para que o carro seja devolvido.

Curiosamente a maioria das situações de sequestro expresso só são conhecidas semanas depois de ocorrer, o que faz com que a imprensa perca o interesse.

Por outro lado, os portugueses têm tendência a demorar a informar as autoridades dos casos de sequestros com mais de 24 horas de duração, optando, nalguns casos, por negociar com os raptores e evitar a intervenção policial, talvez porque são frequentes os comentários de uma suposta cumplicidade de polícias.

Desde Janeiro de 2007, o Ministério Público venezuelano ordenou a detenção de 170 polícias por alegados envolvimentos em casos de tráfico de drogas, sequestros e assassínios.

Segundo dados a que a Agência Lusa teve acesso do total de polícias detidos, 50 são oficiais da Guarda Nacional (polícia militar), 31 do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (Cicpc, antiga Polícia Técnica Judiciária), 12 da Polícia Metropolitana de Caracas, 11 da Disip (polícia política) e 66 das diferentes polícias regionais.

A 30 de Outubro, o director do Cicpc, Marcos Chávez confirmou que nos dez dias anteriores a polícia resgatou 11 pessoas sequestradas e confirmou que 37 pessoas permanecem oficialmente sequestradas.

Segundo aquele responsável entre Janeiro e Outubro de 2007 registaram-se 308 sequestros no país, dos quais 261 foram resgatados pela política, a cedência ante a pressão policial ou a frustração da tentativa de rapto.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.