Operação na Índia para encontrar 15 homens presos em mina há mais de duas semanas


 

Lusa/Ao online   Internacional   30 de Dez de 2018, 16:41

A marinha indiana iniciou este domingo uma operação para tentar encontrar 15 homens presos há mais de duas semanas numa mina de carvão inundada, no nordeste do país, anunciou a polícia.

Os trabalhadores estão presos desde 13 de dezembro, dia em que as águas de um rio próximo entraram na mina ilegal, com uma profundidade de 106 metros, no estado de Meghalaya.

Desde então, os mineiros não deram qualquer sinal de vida, mas as suas famílias mantêm a esperança de que tenham encontrado abrigo numa bolsa de ar, enquanto a lenta mobilização das instituições de socorro causou escândalo no país.

“Catorze mergulhadores da marinha chegaram ao local no sábado para operações reconhecimento”, afirmou um responsável da polícia local em declarações à Agência France Presse (AFP). “Eles estão a tentar entrar [na mina]”, acrescentou.

Um tribunal indiano tinha interditado as minas de carvão ilegais no estado de Meghalaya em 2014, após protestos de ativistas ambientais que denunciaram “poluição das águas”, bem como as condições de segurança.

Mas devido ao recurso para o Supremo Tribunal por parte de proprietários de minas e de autoridades estatais, esta prática continuou.

Os residentes extraem ilegalmente carvão recorrendo a métodos precários, fazendo furos nas colinas e escavando pequenos túneis horizontais de modo a alcançarem uma veia de carvão.

Em 2012, no mesmo estado, 15 mineiros morreram num incidente semelhante. Os seus corpos nunca foram encontrados.

Os trabalhos das organizações de socorro foram notoriamente demorados, devido à falta de bombas de água e de equipamento de resgate.

A lentidão neste caso foi comparada, nas redes sociais, por oposição à mobilização este verão na Tailândia para o salvamento de 12 crianças e o seu treinador de futebol que ficaram presos numa gruta.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.