Atentados de 11 de Março

"O Egípcio" chora ao saber da absolvição em Madrid

"O Egípcio" chora ao saber da absolvição em Madrid

 

Lusa / AO online   Internacional   31 de Out de 2007, 14:39

Um dos acusados no julgamento dos atentados de 11 de Março de 2004 em Madrid, Radei Osman El Sayed «Mohamed o Egípcio», chorou ao saber da absolvição pela justiça espanhola, noticiou a agência italiana Ansa.
«Mohamed O Egípcio», inicialmente acusado de ser um dos três organizadores dos atentados de Madrid, assistiu em directo à leitura da sentença a partir das instalações de um Tribunal de Milão, “explodiu em lágrimas e ajoelhou-se para rezar” ao saber que tinha sido absolvido, de acordo com a Ansa.

“Absolvido, viram”, disse enquanto era reconduzido por polícias para a prisão, onde está a cumprir uma pena de oito anos por “associação de criminosos com objectivos de terrorismo internacional”.

«Mohamed O Egípcio» foi condenado em primeira instância em Itália a 10 anos de prisão, mas há dois dias esta pena foi reduzida para oito, depois de apresentado um recurso e dos juízes terem considerado que não tinha tido um papel de organizador na associação terrorista da qual fazia parte.

Radei Osman El Sayed foi detido em Milão em Junho de 2004 e entregue às autoridades espanholas devido a necessidades da investigação sobre os atentados de 11 de Março de 2004, antes de voltar para Itália.

A justiça espanhola condenou hoje a penas de prisão de quase 40 mil anos três dos oito principais acusados dos atentados de 11 de Março de 2004 em Madrid, mas absolveu de todas as acusações «Mohamed O Egípcio».

Nos atentados de 11 de Março de 2004 morreram 191 pessoas e 1.841 ficaram feridas.

Os três acusados condenados às penas de prisão máximas foram considerados culpados de assassínio e de tentativa de assassínio terrorista e na prática vão ter as penas de prisão limitadas a 40 anos cada um.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.