Ministros debatem na segunda-feira o combate ao desemprego jovem em Bruxelas

Ministros debatem na segunda-feira o combate ao desemprego jovem em Bruxelas

 

Lusa / AO online   Economia   8 de Dez de 2013, 11:10

Os ministros do Emprego da União Europeia reúnem-se na segunda-feira em Bruxelas para debater os preparativos da aplicação do programa europeu Garantia Jovem, que obriga cada Estado a apresentar o seu plano ainda este mês.

 

O programa destina-se a combater a alta taxa de desemprego jovem na União Europeia, que afetava, em outubro, 24% da faixa etária até aos 25 anos, com especial incidência em Espanha (57%) e na Grécia (58%), mas também em Itália e em Portugal (36,5), representando 149 mil jovens, de acordo com os dados do Eurostat, divulgados no final de novembro.

No que diz respeito ao desemprego jovem (cidadãos com menos de 25 anos), Portugal regista a sétima taxa mais elevada da União Europeia (36,5% em outubro).

De acordo com o Eurostat, em outubro de 2013, 5,657 milhões de jovens estavam no desemprego no conjunto dos 28 países da União Europeia e 3,577 milhões apenas ao nível da zona euro.

A taxa de desemprego em Portugal desceu em outubro, pelo oitavo mês consecutivo, para os 15,7%, de acordo com os dados divulgados hoje pelo Eurostat, que reviu em baixa os valores dos últimos meses.

Neste boletim, o gabinete oficial de estatísticas da União Europeia reviu em baixa de meio ponto percentual (de 16,3% para 15,8%) a taxa de desemprego para Portugal em setembro, tal como os valores para os meses de julho e agosto, para 16,2% e para 16%, respetivamente.

Assim, segundo os dados divulgados até agora pelo Eurostat, a taxa de desemprego em Portugal regista descidas consecutivas há oito meses: era de 17,6% em fevereiro, de 17,4% em março, de 17,3% abril, de 17% em maio, de 16,7% em junho, de 16,2% em julho, de 16% em agosto, de 15,8% em setembro e de 15,7% em outubro.

Na zona euro a taxa de desemprego em outubro situou-se nos 12,1% (19,298 milhões de pessoas) e nos 10,9% (26,654 milhões de pessoas) ao nível da União Europeia.

Entre os 28 Estados-membros, as taxas de desemprego mais baixas foram registadas na Áustria (4,8%), Alemanha (5,2%) e Luxemburgo (5,9%) e as mais elevadas na Grécia (27,3%, em agosto) e em Espanha (26,7%).

Na comparação homóloga, isto é, face a outubro de 2012, a taxa de desemprego aumentou em metade dos países europeus e baixou na outra metade, sendo que as subidas homólogas mais acentuadas se verificaram em Chipre (de 13,2% para 17%), Grécia (de 25,5% para 27,3% entre agosto de 2012 e de 2013) e nos Países Baixos (de 5,5% para 7%).

De acordo com a agência de notícias espanhola Efe, os 28 países da União Europeia vão também tentar alcançar um acordo sobre a igualdade de género, mas prevê-se que o consenso seja difícil, dada a firme oposição de países como o Reino Unido, Holanda ou Alemanha, segundo fontes diplomáticas consultadas pela agência espanhola.

Por outro lado, a presidência lituana vai também tentar chegar a acordo no que diz respeito aos trabalhadores deslocados de outro país europeu, pretendendo aumentar a sua proteção jurídica, mas até agora o acordo tem sido impossível devido às divergências sobre pontos como a realização de inspeções destinadas a garantir o cumprimento das normas ou as sanções decididas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.