Ministro Vieira da Silva defende agenda do Trabalho Digno

Ministro Vieira da Silva defende agenda do Trabalho Digno

 

LUsa / AO online   Economia   3 de Nov de 2007, 10:26

O ministro do Trabalho e da Solidariedade Social defendeu hoje a necessidade de se encontrarem formas de concretizar a Agenda do Trabalho Digno da OIT para que os cidadãos de todo o mundo tenham um trabalho em condições de segurança e de equidade.
    "É fundamental que encontremos formas de tornar efectiva esta agenda", disse José António Vieira da Silva no encerramento do Fórum da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre "Trabalho Digno para uma Globalização Justa".

    O ministro português considerou que "esta é uma agenda simples" que tem como objectivo "criar condições para que mulheres e homens de todo o mundo possam ter acesso a um trabalho digno e produtivo, em condições de liberdade, equidade, segurança e dignidade".

    Para Vieira da silva, o conceito de trabalho digno "é um fortíssimo instrumento da comunidade internacional para a acção sobre os efeitos da globalização, em especial sobre o acentuar das desiguladades e a exclusão de franjas da população".

    O ministro agradeceu à OIT o facto de ter escolhido Lisboa para realizar este fórum internacional, que contou com o apoio da presidência portuguesa da União Europeia (UE) e considerou que o encontro valeu a pena porque do debate resultaram mensagens fortes que poderão dar resultados para o futuro.

    "O Fórum de Lisboa permite consolidar a importância crucial do trabalho digno enquanto perspectiva de progresso económico e social à escala global", disse Vieira da silva.

    Depois de encerrados os trabalho, o ministro disse aos jornalistas que o conceito de trabalho digno aplica-se nas várias zonas do mundo, mas com significado e abrangência diferentes.

    O ministro admitiu a hipótese desta questão ser debatida em Portugal, com os parceiros sociais, mas, embora admitindo que existem algumas situações a precisar de ser corrigidas, considerou que a situação é equilibrada no nosso país.

    O director-geral da OIT, Juan Somavia, manifestou satisfação pelos resultados do Fórum e salientou a importancia do diálogo social para a concretização do conceito de trabalho digno.

    O Fórum, que decorreu durante três dias, juntou especialistas de todo o mundo e discutiu temas como a importancia da formação e educação ou a segurança social como formas de assegurar um trabalho digno e acabar com a pobraza no mundo.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.