Drogas

Jovens experimentam cada vez mais cedo o álcool

Jovens experimentam cada vez mais cedo o álcool

 

Lusa/AO online   Nacional   16 de Nov de 2011, 13:31

Os jovens portugueses começam a experimentar cada vez mais cedo o consumo de álcool, bebem em maiores quantidades e embriagam-se mais vezes, revela um estudo do Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT).
O estudo sobre o consumo de álcool, tabaco e drogas em meio escolar, que decorreu em Maio e envolveu 13.000 alunos com idades entre os 13 e os 18 anos, revela que 37,3 por cento (%) dos alunos com 13 anos já experimentou beber álcool, número que sobe para 90,8% nos jovens com 18 anos.

Oito por cento dos alunos com 13 anos revela que já apanhou uma “bebedeira”, uma situação vivida por mais de metade (53,9%) dos jovens com 18 anos.

Relativamente à prevalência do consumo de bebidas alcoólicas ao longo da vida, o estudo revela que tem vindo a diminuir entre 2003 e 2011, sendo o decréscimo mais acentuado nas raparigas de 13 anos.

Fazendo um retrato do consumo de álcool entre os jovens, Joana Feijão, uma das autoras do estudo, referiu que “há uma maior quantidade de substâncias consumidas, principalmente as bebidas destiladas, e uma mudança dos [alunos] mais velhos para consumirem menos cervejas e mais [bebidas] destiladas”.

“A maior quantidade de substância consumida traduz-se depois numa maior percentagem de alunos que refere não só ter-se embriagado, como tê-lo feito mais vezes”, adiantou, referindo que quase um quarto dos alunos com 18 anos disse ter-se embriagado no último mês.

A investigadora alertou para as consequências destes consumos para a saúde dos jovens, “uma situação que deve merecer a atenção das autoridades de saúde, da Educação”, mas também dos pais.

“Os pais não podem demitir-se. Se eu tenho um filho adolescente que sai à noite eu tenho de saber com quem vai, o que faz e o que é capaz de fazer. Não posso atribuir ao Estado toda a responsabilidade”, defendeu.

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.