Sociedade

Igreja madeirense interventiva no combate ao surto de dengue

Igreja madeirense interventiva no combate ao surto de dengue

 

Lusa/AO online   Regional   13 de Out de 2012, 14:53

O Gabinete de Informação da Diocese do Funchal enviou hoje uma nota aos padres da Região para que colaborem no combate ao surto de dengue, transmitida pelo mosquito 'Aedes aegypty' que desde 03 de outubro afeta a Madeira.

"A pedido do Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais reenviámos este comunicado a todos os sacerdotes para que o possam anunciar nas comunidades e eucaristias dominicais", pede aos sacerdotes o Gabinete de Informação da Diocese do Funchal. O comunicado do Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais chama a atenção de que "o combate coletivo e individual ao mosquito exige uma atitude ativa por parte da população no sentido de serem adotadas as medidas de prevenção, controlo, em particular nos domicílios, a par das medidas de proteção individual". "A eliminação dos ambientes favoráveis à criação do mosquito é a principal e mais importante ação para combatê-lo. Só com este conjunto de gestos simples e importantes será possível alterar os ambientes propícios à proliferação do vetor de dengue", sublinha. Por isso, "o Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais apela ao sentido cívico de cada cidadão, para que atue como parceiro ativo nesta luta que é de todos". Depois de informar que serão reforçadas "as medidas de controlo ambiental recomendadas pelos técnicos", o Instituto pede que "as pessoas com sintomas sugestivos de dengue devem recorrer ao serviço de Urgência do Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira". "Em caso de dúvida ou para esclarecimentos relativos à doença deverão contactar a linha de saúde com o número 808 24 24 ou o micro-site disponível em https://iasaude.sras.gov-madeira.pt", conclui o comunicado assinado pela presidente do Conselho Diretivo, Ana Nunes. De acordo com a presidente do IASAUDE, na Madeira existem 18 casos de dengue confirmados, encontram-se três adultos hospitalizados e 256 casos à espera de confirmação laboratorial.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.