Helicópteros Puma voltam aos Açores a partir de 1 de Outubro


 

João Alberto Medeiros   Regional   24 de Ago de 2008, 12:08

O chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA), general Luís Araújo, revelou quinta-feira ao jornal Diário de Notícias que os helicópteros Puma vão voltar a servir nos Açores, a partir de 1 de Outubro.
Declarações feitas à margem da cerimónia de despedida, no Montijo, do destacamento militar com que Portugal vai integrar a força da NATO no Afeganistão a partir de Setembro. Os helicópteros Puma deixaram de operar na Região em 30 de Novembro de 2006, quando surgiram os novos helicópteros EH101 Merlin. Contudo, recorda o DN, problemas de fornecimento de peças que afectaram a operacionalidade desta frota, condicionando o número de helicópteros disponíveis para actuar em todo o território nacional, levaram o CEMFA a recuperar quatro Puma dos hangares da Base Aérea de Beja. Aqueles aparelhos haviam sido armazenados em 2006, para venda ao estrangeiro ou, no plano nacional, reaproveitamento em operações de protecção civil e/ou combate aos incêndios.
Ainda de acordo com o DN, embora o ministro da Defesa tenha assinado há poucas semanas o contrato de manutenção dos EH101 que deverá normalizar a actividade destes helicópteros, com o fabricante aeronáutico Agusta-Westland, os atrasos existentes deixam em aberto o período de tempo que os Puma terão de estar ao serviço nos Açores. De acordo com o registo da Força Aérea Portuguesa (FAP), os Puma já salvaram mais de 1800 vidas a partir da Base Aérea do Montijo. Os quatro Puma estacionados na Base Aérea das Lajes salvaram ainda mais três centenas e meia de pessoas, bem como transportaram cerca de 2300 doentes entre nos Açores. Aqueles helicópteros realizaram cerca de 26000 horas de voo em quase 3000 missões operacionais.
A informação agora avançada não constitui uma surpresa, uma vez que esta possibilidade já havia sido admitida pelo Governo da República.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.