H5N1 detectado em aviário britânico

H5N1 detectado em aviário britânico

 

Lusa / AO online   Internacional   13 de Nov de 2007, 15:25

O vírus H5N1 da gripe das aves foi detectado numa exploração aviária em Suffolk, no leste de Inglaterra, onde não existem trabalhadores portugueses, segundo disse a empresa à Lusa.
"Não trabalha nenhum trabalhador português em Redgrave Park Farm, apenas alguns polacos", garantiu à agência Lusa Adam Wurf, um porta-voz da empresa.
A quinta em questão situa-se na fronteira entre os condados de Suffolk e Norfolk, no Leste de Inglaterra, uma região onde trabalham e residem milhares de trabalhadores portugueses.
Também um sindicato local disse à Lusa não haver registo de trabalhadores portugueses a trabalhar nessa quinta.
Marie Campbell, do escritório de Norwich do GMB, um dos principais sindicatos britânicos,  admitiu no entanto a possibilidade de alguns portugueses terem sido contratados sem entretanto darem conhecimento ao sindicato.
"Às vezes alguns portugueses são contratados e não nos comunicam", adiantou.
A estirpe H5N1, uma dos mais mais patogénicos e mortais da gripe das aves foi hoje indentificada em Redgrave Park Farme, em Suffolk, uma região onde trabalham e residem milhares de trabalhadores portugueses.
Cerca de 6.500 animais, entre perús, patos e gansos, deverão ser abatidos nas próximas horas.
O abate das aves começou a ser preparado por precaução ainda antes da confirmação do vírus, feita hoje ao início da tarde pelo ministério do Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais britânico.
O porta-voz da empresa adiantou por outro lado que este aviário "só produz aves para a época do Natal" e que nenhum dos animais foi vendido para consumo alimentar. 
O ministério do Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais britânico admite que o foco tenha sido causado por uma ave migratória.
Segundo o chefe dos serviços veterinários, Fred Landeg, dados iniciais "sugerem que está relacionada com surtos na República Checa e Alemanha, o que sugere uma ave selvagem como possível fonte". 
O alarme para a hipótese de um surto de gripe das aves foi dado no domingo, quando cerca de 60 aves foram encontradas mortas na exploração aviária, tendo o local sido imediatamente isolado.
Zonas de protecção de três e 10 kilómetros foram estabelecida em torno da quinta, perto de Diss, estando proibido o movimento de aves, que devem ser colocadas em espaços fechados para evitar o possível contágio.
Fundada em 1971, a Gressingham Foods é conhecida pela qualidade das aves produzidas, em especial os patos, tendo criado uma raça deste animal a que foi dada o nome da empresa.
A quinta situa-se numa região onde a indústria da criação de aves é importante.
A mesma doença já tinha causado o abate de 160 mil aves num aviário da empresa Bernard Matthews, em Holton, Suffolk, em Fevereiro deste ano.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.