Freitas do Amaral elogia sentido de estado de Cavaco


 

Lusa/AO On line   Nacional   5 de Nov de 2010, 05:43

O ex-líder do CDS-PP Freitas do Amaral contrapôs hoje o perfil do candidato presidencial e “homem de Estado” Cavaco Silva ao perfil de Manuel Alegre, um “excelente poeta” mas que “vive um pouco perto da Lua”.

Em declarações aos jornalistas na inauguração da sede de candidatura de Cavaco Silva, o antigo líder dos democratas cristãos e ex-ministro do primeiro governo de José Sócrates justificou o seu apoio à reeleição para Belém de Cavaco Silva fazendo uma análise dos perfis dos dois principais adversários para as eleições de 23 de janeiro.

“Vamos ter dois candidatos fortes”, preconizou, apontando, porém, Cavaco Silva como “o homem certo, no momento certo, para o lugar certo”.

Recordando toda a experiência que Cavaco Silva acumulou durante os 10 anos em que esteve à frente do governo e os cinco anos que já passou na Presidência da República, Freitas do Amaral sublinhou também o conhecimento que o atual chefe de Estado tem dos problemas económicos e financeiros. “Corresponde ao perfil que me parece adequado ao cargo e ao momento”, disse.

Do outro lado, continuou, estará o candidato apoiado por PS e BE, Manuel Alegre, que é “um excelente poeta”, mas que, “como é próprio dos poetas, vive um pouco perto da Lua, conhece pouco de economia e finanças”.

“É uma pessoa que nos aparece sem a bagagem da experiência de um homem de Estado como Cavaco Silva”, salientou.

Questionado sobre a razão para não ter dado o seu apoio público a Cavaco Silva nas presidenciais de 2006, Freitas do Amaral lembrou que na altura integrava um governo socialista, que apoiava oficialmente outro candidato. “Mas, no meu íntimo, naquela eleição apoiei Cavaco Silva”, reconheceu.

Numa breve intervenção que fez na inauguração da sede de campanha de Cavaco Silva, o seu mandatário para o distrito de Lisboa, Campos e Cunha, que, tal como Freitas do Amaral, também chegou a fazer parte do primeiro governo de José Sócrates, enfatizou igualmente a necessidade de assegurar a reeleição do atual chefe de Estado.

“Reeleger Cavaco Silva é necessário para o país”, sustentou, considerando que, desde logo, votar no candidato apoiado por PSD e CDS-PP é não votar nas políticas seguidas por aqueles políticos que querem “continuar no mesmo rumo, porque não entenderam a situação muito difícil em que Portugal se encontra”.

“O Presidente Cavaco Silva, durante todo o seu mandato, tem sido parte da solução e não parte do problema”, realçou.

Na inauguração da sede da candidatura, localizada na Avenida da Liberdade, em Lisboa, compareceram mais de duas centenas de pessoas, desde ilustres desconhecidos, que esperaram à porta pelo candidato enquanto agitavam bandeiras e gritavam “Portugal, Portugal”, até caras conhecidas do mundo da política, empresarial e do espetáculo.

Entre os políticos estavam a vice-presidente do PSD Paula Teixeira da Cruz, a antiga líder social democrata Manuela Ferreira Leite, o presidente da câmara de Sintra, Fernando Seara, o deputado do PSD Guilherme Silva e o antigo ministro Ferreira do Amaral. Do CDS-PP estavam presentes, entre outros, o líder parlamentar, Pedro Mota Soares, e o antigo ministro Bagão Félix.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.